Publicidade

domingo, 14 de março de 2010 ataques especulativos | 19:50

Como fazer um ataque especulativo a um país? Capítulo 1…

Compartilhe: Twitter

Diz a lenda que havia na  Grécia Antiga o Manual do Especulador, que em seu capítulo sobre ataques especulativos traz sete lições úteis para aqueles que pretendem ganhar dinheiro explorando as fraquezas  nos fundamentos econômicos de certos países  ou para aqueles que queiram evitar que tais crises ocorram.

Pretendo fazer minha estreia nesta coluna fazendo um pequeno resumo do que, segundo os historiadores, teria sido escrito há vários séculos sobre o assunto:

Lição 1 – A escolha do país alvo

Selecione seu alvo com cuidado, pois é necessário que tal economia apresente desequilíbrios ou vulnerabilidades em vários de seus fundamentos, pois país sólido não quebra…  portanto deve-se focar em economias com características especiais:

– é importante que o país tenha um deficit crônico em suas contas externas, ou seja, com saldo negativo persistente na balança comercial, combinado com um volume grande de pagamentos de juros e dividendos ao exterior…. pois se alguém não precisa de financiamento ele não quebra. Este deficit persistente mostra que há falta de poupança interna, isto é, as pessoas de lá gastam além do que podem.

– se tal deficit externo for acompanhado de um deficit nas contas públicas, isto é, se governo gasta mais do que arrecada e tem dívida pública elevada e crescente, cria-se o tal dos deficits gêmeos, atributo bastante atraente aos especuladores, em particular se um volume importante da dívida pública estiver nas mãos de credores estrangeiros ou que esta seja denominada em moeda estrangeira…  os gringos são sempre menos tolerantes e céticos com relação às promessas de austeridade dos políticos locais… e governos não têm uma boa reputação no que diz respeito a como gastar o dinheiro dos contribuintes. Lembre-se da Crise do México em 1995 e dos seus Tesobonos nas mãos dos fundos americanos…

– ajuda bastante se o sistema financeiro do país for frágil, com volumes crescentes de inadimplência e alavancagem, e que seja dependente de captação externa para o funding de seus empréstimos. Na crise Russa de 1998, a fraqueza dos bancos russos foi um fator decisivo para o sucesso do ataque, pois o risco de uma corrida bancária aumenta a dramaticidade nestes casos.

– e é claro, se a taxa de câmbio for fixa ou administrada, o ataque será mais eficiente, pois  o governo será obrigado a vender moeda exterior e a comprar moeda local quando esta atingir determinadas taxas, o que reduzirá as reservas externas e causará uma redução ainda maior da oferta de crédito interno nos momentos de fuga de capitais. Isto leva a mais inadimplência dos tomadores de empréstimos e  fará com que Banco Central tenha de subir os juros para evitar a fuga de capitais, aumentando assim o custo de financiamento da dívida pública e o deficit público no pior momento possível. Se ele não subir o juro de forma decisiva, mostrará fraqueza, o que irá atrair mais especuladores! Este aspecto foi o mais relevante nos ataques especulativos do final do século passado, como na crise do Real de 1999 e na crise da Libra esterlina  do início dos anos 1990….

Lição 2 – Divulgue as fraquezas do inimigo

Faça com que tais vulnerabilidades  sejam de conhecimento público, divulgando-as em eventos e reuniões internacionais e convencendo parcelas importantes da mídia especializada a dar destaque aos problemas de tal país, mesmo que estes problemas já existam há muitos anos. É importante que o maior número possível de agentes, analistas e jornalistas  prestem atenção no assunto agora, como se fosse uma descoberta nova, uma nova moda… Isto é muito fácil de se conseguir, pois este pessoal está sempre atrás de uma nova moda…

Bem, vou ficar por aqui… mais tarde eu trarei os outros Capítulos..

Autor: Tags:

42 comentários | Comentar

  1. 92 Langstein de Almeida Amorim 23/09/2011 14:31

    {reproduzido por truncamento do pensamento}
    Brilhante financista Ricardo Gallo:
    Você poderia prestar um grande serviço ao bem-estar da humanidade se usasse sua inteligência superior para ensinar aos governos latino-americanos a estratégia que os bancos engendram para formular um ‘ataque especulativo’ contra a moeda da vez.. Incontestavelmente, os banqueiros são os mais hábeis manipuladores do sistema financeiro dos países. Deixam de emprestar ao processo de produção capitalista para se meter na agiotagem das moedas!
    O cenário de ataque especulativo conhecido pelo sintagma: ‘day-trade’, encontra-se atualmente, em execução no Brasil. Como você informou corretamente: “o objetivo de quem especula (os banqueiros) não é quebrar país nenhum; você (eles) só quer ganhar dinheiro. [Os parênteses são nossos.]
    Os bancos provocaram a desvalorização do dólar por muito tempo, para fazer forte posição nessa moeda de referência no exterior. O Banco Central aproveitou a queda do dólar ladeira abaixo e também fez forte posição na inconsistente moeda americana. Os dois bisãos estão fortalecidos para a pugna do ‘ataque especulativo’. O objetivo desse ataque é provocar a desvalorização do real até o máximo possível. A partir desse teto, os bancos fazem seus dólares no exterior retornarem ao país, recebendo muito mais real por dólar do que pagaram por ele. Com o lucro avantajado da especulação induzida, os bancos quitam as apólices dos investidores com deságio correspondente à desvalorização do real, embolsando o restante paquidérmico. Esse transtorno econômico-financeiro! a elite banqueira nacional deixa como um problema grave para a presidente Dilma resolver.
    Nossa opinião e a de pessoas que entendem desse jogo pesado, resume-se ao seguinte raciocínio: O Banco Central deve deixar que os bancos atuem pela desvalorização do real. No momento em que esses especuladores fizerem seus dólares retornarem, aí o Banco Central entra forte no mercado oferecendo dólares com intenso deságio. Resultado: a operação especulativa dos bancos seria abortada.
    Se o Banco Central ficar soltando dólares de conta gota, só fará aumentar o envio dessa moeda para o exterior, intensificando o lucro dos especuladores no tempo do retorno da massa cambial.
    Os Bancos Centrais de todos os países foram criados para defenderem de forma oculta, o interesse dos banqueiros. Isso, no governo Dilma Roussef, o Banco Central não o fará. Essa fé grassa na mente da facção pensante do Brasil.

    • Ricardo Gallo 23/09/2011 15:32

      ps: infelizmente o bc fez exatamente o oposto….. derrubou dolares… e sua sugestao embora faça sentido logico, na pratica nao funciona, pois neste processo voce quebra um monte de empresa que foi la fora e tomou emprestimo em dolares, como quase ocorreu em 2008….. dear, posso ser apenas engenheiro, mas estou no mecado ha 25 anos…. sei com funciona… se voce nao quer que algo exploda, nao deixe subir 10 dias seguidos, pois ai todo mundo decide comprr e voce nao tem bala para acompanhar….

  2. 91 Órgão regulador da Bolsa da Itália limita "venda a descoberto" – Economia | Mercados 10/07/2011 23:29

    […] – Como fazer um ataque especulativo a um país? Capítulo 1…- Como fazer um ataque especulativo a um país? Capítulo 2…- Como fazer um ataque especulativo a um país? Último capítulo   […]

  3. 90 Órgão regulador da Bolsa da Itália limita "venda a descoberto" | Mundo Dinâmico 10/07/2011 19:31

    […] – Como fazer um ataque especulativo a um país? Capítulo 1… – Como fazer um ataque especulativo a um país? Capítulo 2… – Como fazer um ataque especulativo a um país? Último capítulo   […]

  4. 89 Carlos Ibanez 09/06/2010 10:10

    Ricardo Gallo

    Bom dia, por obséquio, foi voce quem escreveu sobre “Metro faz Faria Lima rica, engolir trecho pobre” para a Folha de São Paulo,

    Se positivo, gostaria de fazer uma correção, atenciosamente

    Carlos

    • Ricardo Gallo 10/06/2010 12:07

      nao fui eu. eh homonimo…..

  5. 88 Ricardo Matoso 16/03/2010 11:03

    Gostei da aula de economia. Nos mostrando como somos frágeis, e como teremos que mudar nosso comportamento ( atitude), para que algum dia nós possamos ser um Pais mais sólido, deixando de ser tão vulnerável a economia internacional.

  6. 87 Heitor Rodrigues 16/03/2010 8:26

    Texto brilhante e didático, Sr. Gallo!

    Aguardo a continuação…

  7. 86 Murilo Assis 15/03/2010 21:52

    Parece que alguns leitores não entenderam a intenção do autor do texto, ele simplesmente descreveu o “modus operandis” dos especuladores ao lucrar com a desgraça de um país, que aliás não é segredo para ninguém.

    Alguns leitores dizem que os EUA são um país sólido, eu gostaria de saber porquê! Afinal um país que tem uma dívida externa de quase 10 trilhões de USD, déficits orçamentários e comerciais anuais na casa de quase 2 trilhões de dólares, já não produz bens tangíveis e duráveis pois terceirizou suas indústrias e vive de dinheiro alheio emprestado, vide China, Japão, país arábes e mesmo Brasil, não pode ser considerado sólido.

    Entretanto os EUA não quebrarão, pagarão sua dívida até o último “cent”, com papel pintado e sem valor, até quando existirem trouxas que aceitem dólar.

    Espero que o mundo acorde e acabe com esta mamata dos EUA e demandem pagamento da dívida com dinheiro de verdade (lastro real) não simples fé em papel pintado.

    Depois da Grécia, os próximos países a quebrarem serão Inglaterra e EUA, quem viver verá.

    Falei e disse.

  8. 85 Armando 15/03/2010 21:29

    parabéns pelo artigo e q pena que o o sr. Marcelo apesar de tanta informação e MBA não tenha compreendido nada, aliás na minha época de estudante eu fazia regularmente nas aulas de português do então curso ginasial além da análise de textos uma pequena dissertação interpretando o seu conteúdo.
    ou seja, alfabetizar é aprender a ler, escrever e interpretar, desde sempre até agora.

  9. 84 Numeno 15/03/2010 21:10

    Ensinamentos claros, simples e básicos.
    Parabéns ao autor.
    Explicitam as regras de um jogo bem antigo, cuja operacionalidade pertencia às superpotências estatais e, agora, pertencem aos superconglomerados especuladores: aniquilar, dominar, manter e explorar.
    Aos que dizem ser fundamentos aplicáveis aos Estados Unidos da Amércica, saibam que os donos do jogo se entrelaçam as suas bases políticas e de poder.
    Isso, por enquanto, não acontecerá aos EUA.
    Não estamos diante do neoliberalismo, mas sim do neocolonialismo dos financistas do risco, que modulam o jogo, manipulam as consequencias e colhem os resultados.

  10. 83 Francisco 15/03/2010 20:19

    Essa matéria é recursiva! Veja:

    “Isto é muito fácil de se conseguir, pois este pessoal está sempre atrás de uma nova moda…”

    A nova moda seria um manual sobre ataque especulativo?!

  11. 82 Acácio do Tietê 15/03/2010 20:00

    Meu Curso Rápido de Economia se resume ao único conselho: “Nunca gaste mais do que ganha ” !!! Isto serve tanto para uma Dona de Casa, quanto ao Presidente dos EUA. Se gastar a metade então, será FELIZ como eu o Sou !!!

  12. 81 Anderson Silva 15/03/2010 19:44

    Parabéns pela excelente coluna Gallo!

    Só um parênteses na questão do Regime Cambial. Todo o ataque especulativo sobre o Brasil em 99 foi devido a desconfiança internacional (já que a Russia estava mal das pernas e estava na mesma cesta do Brasil em termos econômicos e de desenvolvimento) e a gota d’água que foi quando o Governador de MG (Itamar Franco) declarou moratória de seu Estado…aí o BCB jogou a toalha de vez…não deu conta do volume de dólares que começaram a sair do país.

  13. 80 Iluminado 15/03/2010 18:59

    Esconda as suas armas e descubra quais são as dos seus oponentes…

  14. 79 ka 15/03/2010 18:50

    sempre gostamos de falar , poucos ganham as custa da
    desgraça de milhares,
    honestamente, seria tão bom ser da minoria!
    porque ser da maioria esta tão complicado, tá
    dificil de comprar , o arroz, arroz na minha lingua quer dizer
    arroz mesmo, na lingua da especulação chama commodities, nem sei se é assim que escreve.
    no fina semana as commodities da area bovina , invisto alguns reais, na area agricola é mais complicado, principalmente nos cereais, falando nisso voces viram o
    preço do chuchu?

    sinceridade, é muito complicado, vou fazer o que sei
    vou trabalhar, afinal ganhar dinheiro é para quem especula.

    Ricardo , parabens pela coluna!

  15. 78 LUCIO FLAVIO LAUTENSCHLEGER 15/03/2010 18:18

    Parabéns Marcelo Rego. Nós precisamos muitos empresários como você.
    Zézo Di Lucchio, leva um zero pelo final, penso que deves ler os desdobramentos do caso Veja/Zé Dirceu/Eletronet.
    Parabéns Rogério, Muito lúcida tua analise.
    Alex, os EEUU são peritos nisto. Não te preocupas p.q. eles são os maiores especuladores ou, o que me dizes do juro zero do Fed? O que me dizes da montanha de dólares(sem latro) espalhados pelo mundo? Por quê será que eles estão loucos com a China(que cresce há mais de 30 anos, na média 10% a.a) p.q. a China se nega a valorizar o Yuan frente ao dólar?
    O mestre Gallo pode explicar isto.

  16. 77 Dulce 15/03/2010 16:44

    Não dá p/usar estes conhecimentos especializados e técnicos para o crescimento de todos e não só a expeculação e enriquecimento de alguns em detrimento de tanta desgraça e do caos social no mundo ….não é hora de se usar estes conhecimentos para aplacar a fome universal……se pode dormir em paz quando se torna um especialista em prol de tantas desgraças…..???

  17. 76 marcia 15/03/2010 15:38

    bom

  18. 75 Renato 15/03/2010 14:19

    Curioso – o Estado administra mal a economia, agravando uma série de fraquezas,…mas o vilão da história é o especulador, esse malvadão.

  19. 74 marcelo 15/03/2010 14:05

    Parabéns pelos comentários claros e objetivos, nem sempre podemos ler artigos dessa qualidade na internet, mesmo pq, alguns comentáristas se julgam acima da população de um mode geral. Parabéns mais uma vez, em que pese a informação sobre “ser palmeirense”. rs

  20. 73 Alex 15/03/2010 14:00

    País sólido não quebra??? Será mesmo que podemos acreditar eternamente nessa premissa? Os EUA são considerados sólidos, porém conseguirão regular o sistema até quando, com os seus diversos deficits?

  21. 72 Paulo 15/03/2010 13:59

    Vamos especular como acabar com as taxas e juros de nosso pais e como eliminar expeculadores e corruptos(bancos ,multi Nacionais e politicos…).
    Como elevar a ética é o trabalho para engrandesser nossa nação.

  22. 71 Eduardo Horvat 15/03/2010 13:57

    Antes de mais nada, gostaria de parabenizar o Sr. Gallo pela sua estréia e dizer que como ex-funcionário do BankBoston, já conhecia sua capacidade de administrar grandes investimentos.
    Espero que como comentarista, você tenha o mesmo sucesso que teve no Banco.

  23. 70 rogério 15/03/2010 13:34

    Muito bom ver que há manuais de como proceder para evitar quebradeiras, mas será que países desenvolvidos os seguem? Será que a Europa com os seus países com problemas econômicos os seguem? Ou será que só nós temos que segui-los, digo isso, porque é fácil dizer que a economia do país hoje é frágil, mas qual o preço de dizer que somos vulneráveis ? Quem ganha com isso ? Será que tem gente querendo ficar no rol dos homens mais ricos do mundo ? Como o Eike, que se tornou bilionário exatamente porque comprou grandes estatais brasileiras a preço de banana, será que tem gente querendo que o governo anterior volte para que o que sobrou das estatais brasileiras seja privatizado ? A quem interessa a crítica dos atuais fundamentos econômicos ? Seguir manuais ou fazer a lição de casa como querem os grandes economistas para uma economia como a nossa que cresce lentamente, será que é o ideal ? Eu vejo tudo isso como boatos que são jogados ao relento para que muita gente acredite que alguma coisa vai mal para no futuro uns poucos gatos pingados lucrem com a desgraça de outros …

  24. 69 Weliton 15/03/2010 13:22

    Gostei da forma como o asunto foi abordado. Mas temos que lembrar que vivemos em um mundo que ganhar dinheiro é o que importa, se isso vai custar a vida de milhões de pessoas ou lançará milhoes na mais absoluta pobreza. O que importa? O objetivo foi atingido. Ganhar dinheiro, acúmulo de riquezas. O conceito democracia vem dos Gregos, mas hoje utilizamos esta palavra mas não sabemos o que ele significa. Em nosso caso, será que vivemos em uma democracia? Será que ter o” direito” ao voto simplesmente é democracia.

  25. 68 denise kraemer 15/03/2010 13:20

    acho que aplica-se o manual do especulador às pessoas físicas. O título poderia ser: Como desmoralizar pessoas físicas, jurídicas, países, estados, etc…
    Texto dinâmico e de grande qualidade.
    Parabéns

  26. 67 Carlos 15/03/2010 13:20

    O Brasil do presidente marolinha, o ilusionista da candidata marionte, esta com seus fundamentos fragilizados e será a proxima bola, logo que os USA, UE e Japao aumentarem seus juros, a dinheirama que para ca rola, para la rolara e nós teremos dificuldades para fechar as contas, principalmente pelo excesso de gastos e queda da poupança interna e uma sociedade mais endividada que nunca antes neste país, aguardem e verao.

  27. 66 Zézo Di Lucchio 15/03/2010 13:16

    Caro Ricardo Gallo o que o senhor escreveu é muito interessante , mas não condiz com a necessidade de um povo e de uma nação , pois especular não gera progresso nenhum apenas mais dinheiro dos lobistas e especuladores .
    Uma nação para ser forte em sua economia tem que fortalecer as empresas obter lucros , mais investimentos e que estas irão gerar empregos , e que empregados irão sustentar suas familias decentemente , e estas consumirão mais .
    Toda a nação ganha pois o povo ganha , exportamos mais e tambem importamos é o comercio mundial .
    Já os lobistas e especuladores não produzem nada apenas engordam seus bolsos .
    Exemplo : reportagem da VEJA 3 de março de 2010 , que fala do Zé dirceu o maior lobista do país – Artigo TELEBRÁS + ELETRONETE

  28. 65 Christian S. 15/03/2010 12:54

    Tô gostando!

  29. 64 Miguel 15/03/2010 12:47

    Boa tarde!!

    Parabéns Gallo pela iniciativa e obrigado Sergio, pelas felizes colocações feitas acima.
    Precisamos sim de mundança cultural, na economia, mas não aquela copiada de outros países como citato acima (EUA), que pouco fazem para amenizar problemas internos e ainda promovem uma verdadeira bagunça nas demais economias do planeta.
    Se voltarmos no caso da “Bolha” me parece que no ano de 1917 ou perto, nada mudou para o ocorrido em 2009, portanto, precisamos ter uma visão muito mais crítica, quando pedimos mais investimentos para o país.
    Abraços.

  30. 63 Flávio 15/03/2010 12:42

    Seria interessante deixar claro que um ataque desse tipo não se faz só contra um pais, um nome vazio, um número. Mas a todo seu povo, e milhares vão sofrer as consequencias porque alguns querem lucrar sem esforço.

    A loucura humana chega a níveis incríveis. Seria cômico se não fosse trágico.

  31. 62 Dé rodrigues 15/03/2010 12:21

    Bom dia senhores.
    Posso saber poque meu comentario não apareceu ainda?

  32. 61 Alexandre Bulhões 15/03/2010 12:11

    Toda economia , em todos os paises, encontram-se nesta situação. Vulneráveis. A indústria não cresce, a poupança não existe, o consumo cresce mais do que o PIB.

  33. 60 Alexandre Bulhões 15/03/2010 12:05

    O que fazer?

  34. 59 vilma Kelmer 15/03/2010 11:50

    Terrivel quando os especuladores, desistabilizam o pais ao ponto dos mercadores das guerras verem a possibilidade de faturar.

  35. 58 Marcelo Montedonio Rego 15/03/2010 11:39

    Sr Ricardo Gallo

    Sou industrial, 57 anos e trabalho muito duro para manter meu negócio saudável e lucrativo. Se eu começar a pensar como o senhor sugere, fatalmente me afastarei do meu negócio principal e aí sim, me tornarei alvo de especuladores.

    Todos aqueles que acreditam verdadeiramente que somente o trabalho sério pode proporcionar resultados e rentabilidade satisfatórios, devem rechaçar, sem nenhuma cerimonia, suas sugestões especulativas, que ao final de tudo, é uma receita de “como se dar bem” em cima das dificuldades e infortúnios alheios.

    O resultado prático de suas idéias pode até proporcionar resultado financeiro, mas sem nenhuma dúvida, é um torniquete que asfixia e agrava ainda mais o problema de quem é alvo de suas ações, seja um país, uma empresa ou uma pessoa.

    Prosperidade e riqueza só fazem sentido quando são compartilhadas e ajudam outras pessoas a melhorarem de vida que por sua vez, farão o mesmo e assim por diante. Se alguém não entender isso, então não está preparado para ela.

    Experimente abrir uma empresa no setor produtivo, daquelas bem pequenininhas e tente aplicar suas teorias especulativas. Ah sim…. se não alcançar os resultados que deseja, pode me procurar pois poderei fazer-lhe uma proposta bem interessante de consultoria e ensinar a ganhar dinheiro a partir do trabalho duro e sério, daqueles que todo mundo ganha um pouco de forma contínua e consistente, e não daqueles onde apenas poucos ganham em prejuízo de muitos.

    Sou engenheiro de sistemas, MBA, pós, etc, etc, com razoável experiencia em desenvolvimento de negócios no Brasil e no exterior e será um prazer compartilhar conhecimento e experiencia com o senhor

    Viva o lucro saudável!

    Marcelo Montedonio

  36. 57 Ricardo Nardini 15/03/2010 11:11

    Parabéns Gallo pelo início como comentarista do IG.
    Começou bem com as lições de como estruturar um ataque especulativo.

  37. 56 Emerson Silva 15/03/2010 11:06

    Isso parece o retrato do EUA hoje!
    Os caras tem muitas vulnerabiliidades e não estão fazendo o necessário para resolver isso.

  38. 55 Antonio Luiz 15/03/2010 10:31

    Interessante!
    Eu, leigo no assunto economia, identifiquei aqui um texto claro, objetivo e que encaminha o leitor a uma compreensão mais sólida dos mecanismos políticos/econômicos de “tal país”, do meu país e de tantos outros.
    É um texto “manual do especulador”. Bom, muito bom

  39. 54 Sérgio 15/03/2010 10:12

    O comentarista aborda um assunto relevante e nem sempre bem compreendido pela sociedade brasileira em toda sua dimensão. Os estragos que os especuladores produzem à humanidade, muitas vezes, são aceitos como expressão de democracia e”liberdade de iniciativa”!
    É fato que nosso país sempre foi um território propício à especulação, onde a chamada “indústria do boato”, propiciou resultados importantes para a acumulação de capital sem produção.
    O problema é crônico e está em governos perdulários e irresponsáveis.
    Para sustentar os desperdícios do erário e má-versação dos recursos públicos os contribuintes, investidores produtivos e trabalhadores são achacados “sem dó”.
    Criou-se um círculo vicioso capaz de tornar verdade absoluta o “mito” de que, sem juros elevados não se atrai investimentos. Como se aplicação de curtísimo prazo fosse investimento.
    A mídia ingênua e/ou propositalmente, comprou a idéia e vendeu à sociedade, o que explica em parte, a legitimação cega de ataques especulativos no País. Aqui, não se distingue a poupança da usura.
    É óbvio que especuladores não ajudam a gerar, sequer, um posto de trabalho ou a financiar a compra de uma máquina de pipocas, mas eles nada têm a ver com isso: seu negócio é lucrar sem produzir, ligeiro e com o menor risco.
    Parece que as condições para esse tipo de atividade, colocadas pelo comentarista, permanecem imutáveis no Brasil, basta que se observe a atitude dos Bancos quando recentemente foram contemplados com mais recursos dos “depósitos compulsórios” para injetar na economia.
    O que fizeram eles? Aplicaram em títulos do tesouro!
    Será que os políticos e gestores públicos não sabiam que isso iria ocorrer?
    Assim caminha a humanidade!

  40. 53 JRHebling 15/03/2010 8:21

    Um especulador que deliberadamente quebra um país que, via de regra, é carente de recursos para investimentos em áreas sociais que, colocam em risco a própria sobrevivência de crianças mal nutridas , por exemplo, não deveria ser punido por algum tribunal internacional? Isso, que para alguns parece um joguinho, não é um crime desumano para a maioria?

  41. 52 Manoel Paulo de Oliveira 15/03/2010 8:20

    Sr. Ricardo Gallo, com os meus cumprimentos:

    Como diria um antigo professor, com perguntinha de vestibular: por que a Grecia Antiga não deixou nenhuma lição de economia para a Grecia Moderna?

  42. 51 Fábio Guedes 15/03/2010 8:12

    É preciso lembrar que, países como os Estados Unidos, mesmo com déficit interno elevado, especulações sobre a quebra no sistema previdenciário, fusões e vendas de empresas, quebra de instituições financeiras e empresas imobiliárias e escândalos em Bancos privados, conseguem manter uma aparente estabilidade de sua economia perante a opinião mundial…

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.