Publicidade

sábado, 17 de agosto de 2013 Câmbio, Crise global, EUA, Investimentos, Juros EUA, Juros no Brasil | 21:30

Até onde os juros nos EUA irão subir?

Compartilhe: Twitter

DE volta ao batente…

Cheguei esta semana de férias e encontrei o dólar disparando e os juros de longo prazo nos EUA (e aqui) indo junto… ou vice-versa…

Enfim, desde o começo deste ano tenho comentado sobre os riscos de uma elevação dos juros de longo prazo nos EUA. Pois bem, a coisa está acontecendo. Mas onde isto vai parar?

Para tentar responder tal questão precisamos entender o que está acontecendo nos EUA.

Para combater a elevação dramática do desemprego nos EUA, o FED implantou uma política monetária extremamente frouxa. Ele derrubou a taxa básica de juros para quase zero, como vemos no gráfico abaixo:

Os juros básicos, que estavam ao redor de 5% aa em 2007, foram derrubados para quase zero em 2009 e estão aí desde então.

O FED também implantou um programa agressivo de compra de títulos no mercado, títulos lastreados em hipotecas e títulos de longo prazo emitidos pelo tesouro americano. A evolução do estoque destes títulos no balanço do FED pode ser visto no gráfico abaixo:

Em amarelo marquei o período de expansão do balanço do FED,  que saiu de US$ 500 bi em títulos para quase US$ 3,5 tri em menos de cinco anos. Há alguns meses (marcado em preto) o FED retomou tais compras com bastante vigor.

Ao mesmo tempo o governo americano promoveu uma expansão fiscal, reduzindo impostos, o que aumentou bastante o déficit público:

Vemos em vermelho que os EUA saíram de um déficit de 2,5% do PIB em 2007 chegando a assustadores 10% do PIB em 2010. Este impulso fiscal serviu para compensar o aumento da poupança das famílias, que reduziram o consumo para pagar suas dívidas.

Este armamento pesado foi usado contra um único inimigo: o desemprego, como mostra o gráfico abaixo:

Dá para ver no gráfico acima o salto impressionante no desemprego em 2008, quando  este dobrou, saindo de 5% e batendo 10%.

A  artilharia surtiu efeito e o desemprego começou a cair em 2010. E nos últimos dois anos tal tendência de queda se consolidou (marcado em verde). Hoje o desemprego está ao redor de 7,4%, e, se a tendência dos últimos dois anos continuar, o desemprego deve voltar aos níveis anteriores à crise de 2008 por no  início de 2016 (reta vermelha).

O FED assumiu o compromisso de manter tal política expansionista até o desemprego bater os 6,5%, porém Mr. Bernanke deu a entender que já em setembro próximo o FED pode começar a reduzir o ritmo de compras de papéis para sua carteira. A dúvida que existe hoje é com qual velocidade o FED reduzirá o ritmo de compras de papéis. O mercado começou a especular que o FED encerrará suas compras quando o desemprego chegar próximo a 7%, algo que pode ocorrer já em Janeiro de 2014, como pode ser visto no gráfico abaixo:

O desemprego, que se encontra em 7,4% hoje (marcado em amarelo), deve chegara a 6,5% em Outubro de 2014, mantido o ritmo atual de queda. Este é um marco relevante para o FED, pois existe o compromisso de manter os juros baixos até que desemprego atinja tais 6,5%, como vemos abaixo nas manifestações do FOMC, o COPOM deles:

To support continued progress toward maximum employment and price stability, the Committee today reaffirmed its view that a highly accommodative stance of monetary policy will remain appropriate for a considerable time after the asset purchase program ends and the economic recovery strengthens. In particular, the Committee decided to keep the target range for the federal funds rate at 0 to 1/4 percent and currently anticipates that this exceptionally low range for the federal funds rate will be appropriate at least as long as the unemployment rate remains above 6-1/2 percent, inflation between one and two years ahead is projected to be no more than a half percentage point above the Committee’s 2 percent longer-run goal, and longer-term inflation expectations continue to be well anchored.

Logo, a velocidade de queda do desemprego tornou-se uma variável muito importante para o mercado.

Há alguns analistas que entendem que a velocidade de queda do desemprego não seria sustentável ou não refletiria a saúde real do mercado de trabalho, pois tal queda se deve em grande parte a uma queda da taxa de participação. Taxa de participação indica o % da população em idade para trabalhar que está trabalhando ou à procura de trabalho. O gráfico abaixo mostra a evolução da taxa de participação desde 1960:

A taxa de participação subiu bastante ( verde) desde os anos 60 com a entrada de mulheres no mercado de trabalho e devido a outros fatores demográficos ( baby boomers entrando em idade de trabalho), estabilizando-se no final do século passado ( amarelo) e caindo desde então. Tal queda se acentuou após a crise ( vermelho). Esta queda mais recente seria justificada pelo abandono a procura de emprego por parte de algumas pessoas que perderam seus empregos na crise e não conseguem encontrar novas oportunidades. Portanto, embora elas estejam na idade apta para trabalhar, elas não fazem parte da população desempregada pois não estão à procura de trabalho. Isto reduziria o desemprego medido. Há um estudo interessante feito pelo FED de Kansas sobre este assunto:

http://www.kc.frb.org/publicat/econrev/pdf/12q1VanZandweghe.pdf

Outra variável que o FED menciona em seus comunicados é a inflação e sua expectativa. O FED deixa claro que a política monetária frouxa será mantida se a inflação projetada ficar abaixo de 2,5% AA. O FED definiu assim que a meta de inflação  é ao redor de 2% AA.

O gráfico abaixo mostra a evolução das medidas de núcleo da inflação desde 2002:

As diversas linhas do gráfico mostram algumas medidas usadas para medir o núcleo da inflação (sua tendência central). O gráfico preto mostra a média de tais medidas e a linha marrom horizontal mostra a meta de 2% a.a. fixada pelo FED.

Vemos em amarelo que a inflação entre 2005 e 2008 esteve acima da meta atual do FED de forma consistente. Ou seja, na visão do FED atual, parece que a política monetária entre 2005 e 2009 esteve frouxa demais, o que talvez explicasse a formação da bolha imobiliária naquele período.

Também é possível ver a forte queda da inflação em 2008 e 2009 (vermelho) e a sua recuperação em 2011, e a queda na sequencia (marcada em cinza). Desde 2009 o gráfico preto ficou, na maior parte do tempo, abaixo dos 2% AA. A inflação mais baixa deu espaço ao FED e a sua política mais frouxa. O mercado, desta forma, ficou tranquilo com esta variável, em particular considerando o comportamento do PCE, índice favorito do FED, que tem andado bem abaixo dos outros índices devido a sua composição.

Contudo alguns sinais recentes mostram que a inflação parou de cair e pode voltar a subir:

Embora o gráfico verde (PCE core ,  medida preferida do pessoal do FOMC,) mostre que inflação esteja bastante baixa, as outras medidas de núcleo mostram que houve recentemente uma aceleração dos núcleos da inflação (marcado em vermelho), o que pode indicar que algumas pressões de custos podem estar voltando. Pode ser um movimento transitório, porém é um sinal de alerta.

Outro fator preocupante pode ser visto nas medidas usadas pelo FED de Cleveland para avaliar as expectativas de inflação para 3, 4 e 5 anos à frente  no site

http://www.clevelandfed.org/research/data/inflation_expectations/

e que são mostradas no gráfico abaixo:

Tais expectativas estão bem ancoradas desde 2009, se situando abaixo dos 2% desejados pelo FED. Porém notamos que, desde o começo deste ano, tais expectativas começaram a subir, e estão agora no seu maior nível desde 2011.  Pode ser que tais medidas estejam sendo contaminadas pela alta dos juros de médio prazo nos EUA, o que acabaria influenciando a inflação implícita medida nos instrumentos indexados, usada no cálculo destas expectativas no modelo do FED, como está dito abaixo:

The Cleveland Fed’s estimate of inflation expectations is based on a model that combines information from a number of sources to address the shortcomings of other, commonly used measures, such as the “break-even” rate derived from Treasury inflation protected securities (TIPS) or survey-based estimates. The Cleveland Fed model can produce estimates for many time horizons, and it isolates not only inflation expectations, but several other interesting variables, such as the real interest rate and the inflation risk premium.

DE qualquer forma  há cada vez mais indícios de que o FED pode ter que suspender suas compras de títulos de uma forma mais abrupta do que o mercado espera, e que a data de início do processo de normalização (elevação) dos juros básicos possa acontecer mais cedo do que se espera.

Tudo isto causou uma elevação dos juros de longo prazo nos EUA, como vemos abaixo no gráfico:

Os juros de dez anos, que estavam ao redor de 4% em 2008, caíram desde 2011 em função da política expansionista adotada pelo FED e pela indicação que este não pretende aumentar os juros de curto prazo até que o desemprego chegue aos 6,5%. Recentemente tal queda se reverteu (em vermelho) e os juros voltaram aos 3%.

Olhando para o passado mais distante podemos ter uma ideia de quão longe os juros nos EUA estão da normalidade:

Vemos neste gráfico que os juros de 10 anos oscilavam entre quatro e 5% a.a. até 2008 ( laranja) . A política expansionista do FED trouxe tais juros para 1,5% aa em 2012 ( amarelo), porém recentemente eles voltaram a 3% ( vermelho). Logo, é possível imaginar que os juros devam continuar a subir até atingir 4% ou 4,5% ao longo dos próximos anos.

Outra maneira de ver isto é através da taxa neutra de juros reais. Esta taxa seria a taxa real de juros de curto prazo que colocaria a economia em equilíbrio, como definido por Thomas Laubach, Board of Governors of the Federal Reserve System, e John C. Williams Federal Reserve Bank of San Francisco, em:

http://www.mitpressjournals.org/doi/abs/10.1162/003465303772815934

The natural rate of interest—the real interest rate consistent with output equaling its natural rate and stable inflation—plays a central role in macroeconomic theory and monetary policy. Estimation of the natural rate of interest, however, has received little attention. We apply the Kalman filter to estimate jointly time-varying natural rates of interest and output and trend growth. We find a close link between the natural rate of interest and the trend growth rate, as predicted by theory. Estimates of the natural rate of interest, however, are very imprecise and subject to considerable real-time measurement error.

Há outro trabalho interessante sobre isto feito pelo FED de San Francisco:

http://www.frbsf.org/economic-research/publications/economic-letter/2005/october/estimating-the-neutral-real-interest-rate-in-real-time/

Neste trabalho o FED tenta definir qual o nível neutro de taxas reais de juros de curto prazo. Seu estudos mostram uma evolução da estimativa de tal taxa neutra de juros desde 1960, como vemos no gráfico abaixo:

De acordo com este estudo, a taxa real neutra caiu consistentemente desde 1960 até 1995 (verde), quando teria se estabilizado ao redor de 2,5% a.a. (vermelho). Hoje tal taxa deveria estaria ao redor de 2% AA. Ou seja, usando estes números, podemos dizer que os juros básicos neutros devem se situar entre 4 e 4,5% a.a., assumindo a inflação de 2% a.a. adotada como meta pelo FED.

Outro aspecto interessante que precisa ser levado em consideração é o comportamento do prêmio existente entre as taxas de juros de longo prazo o e as expectativas do mercado para as taxas de juros futuras. O gráfico abaixo do banco Morgan Stanley ajuda bastante a entender isto:

O gráfico amarelo mostra a evolução do prêmio de prazo (diferença) entre a taxa de juros de 10 anos e a taxa de juros esperada pelo mercado para os próximos anos. O gráfico verde mostra a evolução da taxa básica de juros desde 1992. O gráfico azul mostra o premio médio de prazo calculado pelo MS.

Marquei em roxo e vermelho dois períodos, quando ocorreram elevações fortes dos juros de curto prazo fixados pelo FED: meados da década de 90 (roxo) e na década passada (vermelho).

Vemos nas duas situações que o premio cai na medida em que o juro do FED sobe. Porém nos períodos que antecederam tais altas de juros de curto prazo, os prêmios nos títulos de longo prazo estavam elevados, entre 1,5 e 2% AA. Hoje tal prêmio se situa ao redor de 1%. Ou seja, há espaço para uma elevação dos juros de longo prazo de 0,5% a 1%, mesmo que a expectativa do mercado quanto à velocidade de elevação de juros não se altere.

Fica claro que em algum momento nos próximos anos os juros de curto prazo irão voltar aos 4% e os juros de longo prazo deverão atingir 5% ou um pouco mais. Logo, este processo de alta de juros internacionais será nosso companheiro de viagem nos próximos anos.

Existe, no entanto, um fator poderia reverter este quadro e ele vem do lado fiscal. O congresso americano tem debatido maneiras de reduzir o déficit público de médio e longo prazo. No curto prazo as coisas estão mais ou menos equacionadas, pois com a melhora da economia, a suspensão de alguns cortes de impostos e o congelamento de gastos públicos (sequestration), o déficit público deverá cair para menos de 3,5% do PIB já em 2014. Porém o problema de longo prazo na previdência e na assistência médica provida pelo Estado assusta: se nada for feito, os gastos nestes programas elevarão a dívida pública americana a níveis intoleráveis. O debate político no congresso americano é intenso. Além disto, nos próximos três meses o congresso deverá definir:

  • Orçamento para ano que vem, e a renovação da autorização para que o governo continue gastando e, portanto, funcionando após aquela data.
  • Aumento no limite de endividamento do Governo, endividamento que deve superar o limite atualmente válido já em Novembro próximo, como mostra o gráfico abaixo da GS marcado em vermelho:

O debate político sobre o ajuste fiscal de longo prazo pode levar a um impasse, o que poderia acarretar no fechamento parcial do governo americano, ou até mesmo causar uma moratória da dívida, caso o limite de endividamento não seja elevado, como quase ocorreu em 2011. Caso isto ocorra, este quadro poderia jogar uma ducha de água fria na retomada da economia americana, ao impactar negativamente a confiança dos empresários e consumidores, reduzindo assim as intenções de investimento e consumo. Isto poderia provocar uma nova elevação do desemprego, forçando o FED a manter suas compras de títulos, o que causaria uma queda nas taxas de juros de longo prazo.

Contudo, se tais debates transcorrerem da forma esperada, ou seja, sem um stress tão elevado quanto ao ocorrido em 2011, o aperto fiscal dos próximos trimestres é cadente, como mostra este gráfico da Goldman Sachs:

As barras horizontais mostram o impacto da política fiscal contracionista vigente nos EUA no crescimento da economia trimestralmente desde 2012. Em 2013, na avaliação do Banco GS, o aperto fiscal imposto pelo corte de gastos, pelo sequestration e pelo fim de algumas isenções de impostos tiraram quase 2% aa do PIB (vermelho). A partir do próximo trimestre tal impacto deve se reduzir, mesmo assumindo a manutenção do sequestro de gastos imposto automaticamente no início deste ano. Ou seja, a economia terá um freio a menos nos próximos anos, algo que deverá acelerar o crescimento. E, caso o congresso chegue a algum acordo razoável sobre um programa básico de ajuste fiscal de longo prazo, é possível até imaginar que o sequestro de gastos possa ser reduzido, o que daria mais folego para a economia americana no próximo ano, acelerando a queda do desemprego. Ou seja, a menos de um acidente político no congresso americano, é razoável esperar que o FED contará com uma ajuda da política fiscal para empurrar a economia, o que pode induzir a uma normalização mais rápida da política monetária.

Logo, se tudo correr como esperado, é bem provável que os juros lá fora continuem a subir até o final do ano trazendo mais pressão sobre nosso financiamento externo. Dá para entender agora o motivo da elevação do dólar nestas bandas.

Os: vários dados usados aqui vieram dos sites abaixo:

http://research.stlouisfed.org/fred2/

http://www.clevelandfed.org/research/data/

Autor: Tags:

18 comentários | Comentar

  1. 68 Alex 21/08/2013 0:27

    Será que o Jeferson é algum pseudônimo do Arno Augustin???
    Ele poderia estar testando a aceitação de idéias malucas para piorar ainda mais a credibilidade(e o Rating) do Brasil.

    • Ricardo Gallo 21/08/2013 15:37

      oia….

  2. 67 Jeferson 20/08/2013 19:09

    “nao eh impossivel. da pra fazer .soh nao funciona.”
    Olha, maioria dos economistas acha que funciona sim, mas tem que ser a curto prazo, o problema é que nunca fazem a curto prazo …. ou sejam, o veneno é bom, mas é necessário administrar a dose correta em prazo correto e só em situações epeciais … maioria dos economistas dizem que funciona sim, mas a curto prazo e deve ser substituido rapidamente por retorno a flutuação ..

    ” dolar nao bate 3 ..soh bate se governo continuar a fazer barbaragem como cogitar esta hisotria de controle de capital com cambio fixo”
    Eu não acho difícl bater em R$ 3. E não seria por barbeiragem não, porque não tem muinto mais barbeiragens que o governo possa fazer, ele ja fez quase todas…. pode bater em R$ 3 devido a especuladores / eleição … ta muito facil para o mercado chantagear o governo e se não faz o que eles querem então dólar sobe, podem chamar isto de barbeiragem ou de chantagem ou de ambos, então não é impossível …. e se houver um meio de deter especuladores no curto prazo que não seja com a administração do cambio diga para nós, p favor …..


    .,…dr, eu ja te falei: eu olho no longo prazo.l e com a fbcf que tivemos nestes ultimos 3 anos nao vamos alugar nenhum…

    Concordo, mas no passado ja estivemos ruim assim e a coisa virou, mesmo com os erros e acertos dos politicos ….


    o povo pode estar contente hoje, porem quero ver daqui a 5 anos….. enfim, este debate politico nao eh meu foco….

    Entendo q o foco não é o politico … mas a economia depende da politica na democracia / politica …. nao tem como falar de um sem o outro, a nao ser em teoria, em tese ….

    Não sabemos o que acontecera daqui a 3 / 4 anos, pode ser evrdade q povo não esteja contente e pode não ser e isso depende de uma série de ações e não só de governo fazer uma maldade até a eleição ou depois dela ….

    “soh sei que as coisas estao ruins. mas podem melhorar…”
    Concordo com voce em genero, numero e grau.

    “as pelo visto, se ela pensar como voce, ela vai deixar para 2015, 2016, 2020…. e por ai vai….”
    Claro que não, pq eu mesmo lhe disse que fim de 2014 será a epoca das maldades e olha que nem politico sou….. e se ela pensa igual a mim abrira o saco das maldade apos eleicao, ou seja, em 2014 ainda …

    “se desemprego bater 7% ano que vem ( ta cum cara)”
    concordo com vc ….

    ” ate a cut vai pra rua reclamar….”
    vai reclamar sim, “para ingles” ver apenas … ta dominado…..
    Desemprego na eleição esta projetado em uns 6% …. mas se for 7% claro que cut não estará batendo palmas mas governo ainda tem o discurso que antes era de 12% …. e um discurso melhor ainda que a renda de todos melhorou se analisarmos longo prazo…. o suficiente para ganhar eleição ….e cut não se bandeará para lados do psdb … pode ter certeza ….

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 22:23

      por favor seria legal voce dividir consoco gsuas projecoes de pib, emprego, cambio, etc…. eu to comprando lte dos 6 pct de desemprego ano que vem… lote..hehehe

  3. 66 Jeferson 20/08/2013 18:58

    Somente uma democracia direta, sem politicos, onde cada pessoa vota em cada decisão seria uma democracia utópica como voce pensa que existe (sem manipulação) ….na verdade. me corrijo a tempo, mesmo assim haveria manipulação, porque uma pessoa faria propaganda de seu ponto de vista para outra e querendo ou não (de propósito ou não) esta pessoa também seria manipulada …

    Tem como discordar desta afirmação ?

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 22:17

      mas que voce ta pensando da saida do qe? comeca em setembro? e termina em marco ou junho?

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 22:13

      nao pretendo discutir politica aqui. voce acha que bc sobe selico 50 bp na proxima?

  4. 65 Jeferson 20/08/2013 18:55

    “o que voce chama de politica eu chamo de manipulacao. eu prefiro ter estadista no poder. que faz o que eh certo. perde eleicao, mas depois volta. mas respeito tua opiniao”

    kkk, me de um exemplo de estadista que lhe darei exemplos em que, dependendo do ponto de vista ele manipulou, no sentido que voce quis dizer …. cara … não me lembro de um que tenha voltado ….. se voce quiser tiver um exemplo para refrescar memória ….

    “.democracia para mim nao eh manipular o povo pra garantir a eleicao do partido dominante. isto eh subverter o processo democratico. seja pt, pps, psdb, rede, pmdb, etc.

    para mim democracia também não é isso, mas dizer que isso não ocorre na democracia seria muinto infantil. A democracia sem isso é utopia … pense firamente nisso..

    “democracia pressupoe transparencia. nao manipulacao”
    Olha, por definição democracia existe, tendo transparencia ou não, manipulação ou não.
    Agora, a democracia que voce menciona aqui é uma utopia, mencione um único governo de um único país que foi democrático no sentido que voce quis dar a palavra que eu lhe darei exemplo que refuta a hipótese …

    “mas vamos falar de economia: ta ruim pacas!!hehehe”
    Ta sim, ta ruim pacas, concrodo com voce ….. mas assim como nas épocas boas o pessoal exagera no ufanismo nas épocas ruins o pessoal também exagera no pessimismo …

  5. 64 Jeferson 20/08/2013 18:45

    Este negócio de cambio fixo ja quebrou muinto pais no mundo …. não quer dizer nada ….. pq cambio flutuante também ja quebrou muinto pais no mundo …..

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 22:15

      ok, mas a maioria dos economistas discorda de voce. porem respeito sua opiniao. obrigado pelas importantes contribuicoes.

  6. 63 Jeferson 20/08/2013 16:26

    “o PT chamou isto de estelionato eleitoral quando o FHC fez a mesma brincadeira no final do primeiro mandato……”

    e eu acrescento: “O PSDB chamara o que o governo fara ate a eleição, também de estelionato …”

    E isto não mudou o resultado da eleição do PSDB e não mudara a do PT ….

    É da democracia e é da política …. no final ambas afirmações estão corretas e ambas estão incorretas o mesmo tempo … em política não existe uma só verdade …..depende a análise que voce faz …. pode ser analise superficial ou mais elaborada …. e a conclusão poderá ser muinto diferente …

    Olha a definição de estelionato:
    “obter, para si ou para outro, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento.”

    Note como, a depender da interpretação, a política em si e qualquer ato politico cabe nesta definição de estelionato ….

    Acrescentando: a situação é ruim mas não tanto quanto no final do governo FHC …. a chidadeira agora até é maior pq grande mídia e maioria do “mercado” são mais próxios a idéias do PSDB que as do PT … não afirmo isto para dizer que um governo foi melhor que o outro não ….. digo isto para termos a exata nação do buraco que esta a frente que é grande, mas menor que os profetas estão dizendo no momento ….

    Democracia / politica é isso …… o homem ainda não inventou algo menos pior ….

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 16:34

      o que voce chama de politica eu chamo de manipulacao. eu prefiro ter estadista no poder. que faz o que eh certo. perde eleicao, mas depois volta.

      mas respeito tua opiniao.

      democracia para mim nao eh manipular o povo pra garantir a eleicao do partido dominante. isto eh subverter o processo democratico. seja pt, pps, psdb, rede, pmdb, etc.

      democracia pressupoe transparencia. nao manipulacao.

      enfim, como ja falei, tem,os pontos de vista muitos diferentes….

      mas vamos falar de economia: ta ruim pacas!!hehehe

  7. 62 Jeferson 20/08/2013 16:10

    Tecnicamente, não sei como implantar cambio fixo … nao sou do ramo, mas impossível não é ….. mas pode ter certeza se especulação for alta ao ponto de dólar chegar a 3 brl governo vai fazer …. e nao estara errado em fazer, estara errado se prolongar o controle por muinto tempo … tem que sera algo apenas até dez/2014 …

    “se coisas nao mudarem 2014 e 2015 serao pessimos…pessimos…. ei aserao 6 anos perdidos…. este ano pib de 2% com sorte, ano que vem 1,5%, 2015 se for como voce fala, zero…ai ninguem guenta….

    Mas veja, para população em geral não foram 3 anos perdidos (ou 4), fora a queda na popularidade por causa das manifestações a popularidade do governo é alta (e segundo os “marqueteiros” do governo e até da oposição só crescerá até eleição, salvo improváveis novas manifestações)…. então perdido pode ter sido, mas não para todos, não para a maioria … para mim não foram anos perdidos, foram anos que poderiam ter sido melhores aproveitados, foram anos que governo cometeu novos erros e não os mesmos erros que todos cometiam até então …..

    2014 será péssimo, como voce diz, mas o péssimo talvez não seja tão ruim quanto voce e eu pensamos, porque depende muito de conjuntura internacional, etc … 2015 ja não acho que será pessimo não …. mas só saberemos no começo de 2016….. se o péssimo for 2,5% de crescimento no final das contas terá sido ótimo, pela conjuntura e se em 2017 e 2018 crescer 5% o povo esquece 2014 e 2015 e elege candidato do governo, democracia é assim …

    Mas veja, o atual governo só terá participado de 2014 e 2015 se deixar as maldades para fim de 2014…..senão …. será o bode expiatório da vez ….. e daqui uns 10 anos diirão que o governo fez o certo mas a oposição é quem vai estar no poder ….. implementando ideias que vao contra ao que o governo pensa, entao, em ultima instancia nao tera valido a pena …(veja exemplo de Alejandro Toledo no Peru).

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 16:17

      nao eh impossivel. da pra fazer .soh nao funciona.

      dolar nao bate 3 ..soh bate se governo continuar a fazer barbaragem como cogitar esta hisotria de controle de capital com cambio fixo.,…

      dr, eu ja te falei: eu olho no longo prazo.l e com a fbcf que tivemos nestes ultimos 3 anos nao vamos alugar nenhum… o povo pode estar contente hoje, porem quero ver daqui a 5 anos…..

      enfim, este debate politico nao eh meu foco…. soh sei que as coisas estao ruins. mas podem melhorar…mas pelo visto, se ela pensar como voce, ela vai deixar para 2015, 2016, 2020…. e por ai vai….

      se desemprego bater 7% ano que vem ( ta cum cara) ate a cut vai pra rua reclamar….

  8. 61 Jeferson 20/08/2013 15:57

    Ricardo, sei que é frustrante mas governo nenhum do mundo, em democracia, faz grandes “maldades” em vésperas de eleição, alguns até fazem e perdem eleição, lembro do Alejandro Toledo no Peru, ele perdeu reeleição com aprovação baixíssima, porque fez o que tinha que fazer e não o que podia fazer naquele momento … hoje, estudiosos valorizam a contribuição dele a época, mas pro povo o cara é um “Sarney”, e a oposição esta no poder, colhendo frutos que ele plantou …

    Veja que até concordados da necessidade de liberar aumentos da Petrobras, não ha o que discordar quanto a isso….. e o governo, pode acreditar, tem mais certeza disso de que eu e voce juntos (talvez nem tanto no passado mas hoje sim !) ….. só que o politico faz o que é possivel ….. não o que é necessário ou o que deseja fazer ….. é da politica ….é da democracia ….. ela é ruim, mas ainda não inventaram algo menos ruim …

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 16:05

      o PT chamou isto de estelionato eleitoral quando o FHC fez a mesma brincadeira no final do primeiro mandato……

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 16:01

      é porisso que nosso pib potencial nao passa de 3% aa….exatamente por isto.

  9. 60 Jeferson 20/08/2013 15:50

    #) Voce escreveu

    ps: petroibras vai aumentar preco da gasolina ate final deste ano. aposto. senao ela vai ser rebaixada pelas agencias de ratinge ciao credito internacional… ai tu pode esquecer do pre sal….. get ready. vai ter aumento.

    #) Eu respondo
    Mais uma vez voce tem razão, haverá aumento no preço da gasolina até o final do ano, pelo motivo que voce mencionou (rebaixamento de nota, etc)
    Mas, aí vem a questão de quanto será o aumento, estão falando em de 20 a 30% de defasagem …. o aumento não será o que a Petrobras quer nem o que o mercado quer nem o que especuladores querem. Será um aumento para “ingles ver”, para “aliviar pressão”, para “evitar o rebaixamento da nota, no limite …” e aposto com voce que será adiado o máximo possível até o final do ano, não me surpreendera se aumento sair so em novembro ou dezembro …. para não afetar tanto a inflação deste ano …. apostaria em um aumento de 10% a 12%, não mais que isso, a chiadeira irá continuar mas é melhor que não entregar nada ….

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 16:02

      ja ajuda…. mas a empresa vai sangrar e ser rebaixada… uma pena.

  10. 59 Jeferson 20/08/2013 15:27

    Seu comentario:

    k… voce acha entao que é mais democratico enganar o povo, mais uma vez, e manter preco baixo, manipulando opiniao dos eleitores só para ganhar uma eleicao???

    Minha resposta: não, voce pode ler aí que não disse isso ….não acho nem mais democratico nem menos democratico, mas sim do jogo democratico. Mesmo porque se ela fizer as maldades agora a oposição não será considerada por voce, e mais ainda pelo povo, anti democratica ao criticar a Dilma pelas maldades… Teoria politica basica: “um politico não faz o que tem que fazer mas sim o que pode fazer”

    Se voce analisar o todo verá que a decisão do governo é resumida no seguinte: “Tenho maldades a fazer, mas só farei após eleições, mesmo que isto seja ruim para o país eu penso que se oposição assumir governo, com suas idéias, será muinto pior para o país.”

    #) Seu comentario:
    ” dr, o governo vem represando o rpco do combustivel ha anos… anos… veja o que petrobras diz…

    #) Minha resposta: voce tem razão, isso irá acabar, mas não agora, politicamente é inviável.

    #) Seu comentario:

    se presidenta fizer isto ela ja comeca o segundo mandato fraca, sem credibilidade, e ai mais 4 anos perdidos….”
    #) Minha resposta: voce tem razao, ela começara 2o mandato fraca (ate mandei outro comentario a pouco com este cenário). Mas terá ##2o mandato##. O que voce pode ou não ter razão são os 4 anos perdidos, ela terá que agir para 4 anos perdidos sejam apenas 1 no máximo 2 …. não é impossível.

    #)Seu comentario:
    “estes ultimos 3 ja foram.”
    #)Minha resposta: entendo eu que voce quis dizer que estes últimos 3 anos ja foram perdidos, mas aí é um avaliação pessoal sua, que encolve seus conceitos politicos e economicos, inclusive concordo em parte apenas com ela ….

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 15:40

      se coisas nao mudarem 2014 e 2015 serao pessimos…pessimos…. ei aserao 6 anos perdidos…. este ano pib de 2% com sorte, ano que vem 1,5%, 2015 se for como voce fala, zero…ai ninguem guenta….

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 15:36

      ps: petroibras vai aumentar preco da gasolina ate final deste ano. aposto. senao ela vai ser rebaixada pelas agencias de ratinge ciao credito internacional… ai tu pode esquecer do pre sal….. get ready. vai ter aumento.

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 15:30

      ok.

  11. 58 Jeferson 20/08/2013 15:12

    A) Cenário provável até eleições de 2014, se governo não optar por cambio “fixo”:
    – Especuladores deitam e rolam, aproveitando eleição e outros fatores
    – Dólar semelhante a final de governo FHC / eleição de Lula : 1 USD = 3 BRL
    – Petrobras só consegue autorização do governo para aumentar em parte o que seria necessário para igualar preço internacional
    – Petrobras com prejuizos ou lucro menor
    – Economistas / mercado aplaudem governo
    – Governo perde eleição
    – Oposição assume governo, com governo anterior tendo tido todo o onus de aumento de combustiveis e inflação.

    B) Cenário provável até eleições de 2014, se governo optar por cambio “fixo”:
    – Especuladores NÃO deitam e rolam, apesar de chiar muito atraves da midia amiga ….
    – Dólar fixo : 1 USD = 2,60 BRL ? por exemplo ….
    – Petrobras só consegue autorização do governo para aumentar em parte o que seria necessário para igualar preço internacional, mas prejuízo é muito menor que dólar a R$ 3
    – Petrobras com prejuizos ou lucro menor, porém, situação é melhor que com dólar a R$ 3
    – Economistas / mercado “VAIAM” governo
    – Governo provavelmente ganha eleição
    – País não quebra como quebou no passado na experiecia de cambio fixo, porque estamos longe de 1 USD = 1 BRL da época, alem de situação a época ser muito pior ….
    – Passada a eleição, fim do cambio fixo de maneira planejada …. objetivo é dolar o mais estavel possivel o que é bom para todos …… passada eleição especuladores não tem tanto poder e dólar não chegará a R$ 3 como chegaria hoje no cenário A..
    – Primeiro ano de novo governo comprometido com combate a inflação / crescimento baixo

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 15:34

      dr, esta historia de cambio fixo ja quebrou tudo que é pais do mundo. da certo na china pois lah nao eh democracia. ja tentamos isto aqui no passado e foi um fiasco…e a propria china esta liberalizando a conta capital… ate ela… estariamos dando mais um passo na argentinizacao do pais. indo na contra mao… ferrando exportador de vez….

      pode esquecer este cenario, pois se governo adotar isto, haverah perda 100 bi de reserva em 3 meses…. e juro aqui de longo prazo vai para 20…. game over. imagina a volta do dolar paralelo…. voce se elmbra distop??? e do ouro? ja operei ouro aqui no brasil quando tinha controle de capital…

      se fizar a 2,50 preju da petro ja esta dado… quer tabelare a 2 e ferrar com exportadores para ganahr eleicao? sr gustavo franco ja tentou isto…. deu errado….

      esquece este tal de cambio fixo…. pelamordedeus….

  12. 57 Jeferson 20/08/2013 14:37

    É claro que o correto é o governo deixar a Petrobras aumentar o preço dos combustíveis para realinhar com preço internacional e alta do dólar …. acho que ninguém questiona isso …. mas também é claro que antes da eleição isto só poderá ser feito em parte …. a democracia é o “menos pior ” que temos, ninguém inventou algo “menos pior” até hoje, democracia tem suas vantagens e suas desvantagens, entre as desvantagens tem a de que a imanesa maioria das pessoas que votam não tem capacidade de avaliar os porques do aumento da gasolina / de entender que governo não tem culpa…. todo o onus do aumento cairia sobre o governo ….. não sobre a petrobras (que ficaria com o bonus) … governo seria massacrado nas eleições ….. então, se o governo faz o correto perde eleição se não faz ganha ou tem chances de ganhar a eleição …. a meu caro, politicamente voce ja sabe qual será a decisão …. a questão é apenas o que será feito para segurar a situação até Novebro/2014, quando, após eleições será o momento das maldades … duvido que Petrobras quebre até la, e a partir de então ela será compensada pelo governo, quem sabe até com aumentos maiores que o “correto”, para que recupere o que perdeu com a falta de aumentos ….inflação subirá? sim …. mas será início de govero e haverá 4 anos para recuperar isto ….

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 14:58

      ok… voce acha entao que é mais democratico enganar o povo, mais uma vez, e manter preco baixo, manipulando opiniao dos eleitores só para ganhar uma eleicao???

      dr, o governo vem represando o rpco do combustivel ha anos… anos… veja o que petrobras diz…

      se presidenta fizer isto ela ja comeca o segundo mandato fraca, sem credibilidade, e ai mais 4 anos perdidos…. estes ultimos 3 ja foram.

  13. 56 Edú 20/08/2013 14:07

    Curva fechada à frente, e o Governo soca o pé no acelerador(gasto federal)…. dará SHIT !

  14. 55 Jeferson 20/08/2013 12:15

    E caimos novamente na questão Petrobras ….. pq a inflação o governo deve segurar com juros mas a Petrobras importar petróleo com 1 USD = 3 BRL ou 4 BRL …. vai ser complicado porque não terá como governo segurar, terá que subir e muinto os combustíveis…..mas claro que o grosso do aumento após eleição apenas …. e não tem como aumentar produção rapidamente, nem a produção de alcool então importação de petróleo vai ser grande ….

    Pergunto: Quais seriam as consequencias dpositivas e negativas de o governo fazer como a China ? ou seja definir que 1 USD = 2,60 BRL, por exemplo ? porque me parece a única saída para segurar preço de combustíveis até as eleições ….

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 13:46

      qual seria?? lembra do gustavo franco?? depois das eleicoes Brasil quebrou. para que isto funcionasse deveriamos impor controle de capitais como t em na argentina e na china ditadura…nao acho boa ideia…

      o governo esta brincando com fogo…mercadod e juros e cambio ja deram um recado: pare de brincar.

  15. 54 Magos 19/08/2013 22:20

    Welcome to the jungle! Did you made hedge of card spending? Just kidding! good to see you again!!!

    • Ricardo Gallo 20/08/2013 0:44

      comprei os doalres antes de viajar….. to long… 25% do portfolio.

  16. 53 Fabrício 19/08/2013 15:33

    Parabéns pela sua análise! Brilhante! Continue assim, nos trazendo informação de qualidade.

    • Ricardo Gallo 19/08/2013 19:47

      gracias!

  17. 52 Doug_SP 19/08/2013 14:08

    O “Homi” voltou de férias com tudo… Bom tê-lo de volta, bem como suas analises. Espero que tenha descansado bem.

    Galo, acha que o Real já está sofrendo uma “sondagem” especulativa para testar os limites do BC? Será que vem ataque especulativo pesado pela frente?

    • Ricardo Gallo 19/08/2013 19:49

      depois de um mes na flauta, to pilhado…

      sim sr. bc precisa vender dolar a vista, o verde…vender dolar amarelo via swap com linha nao funciona nestas horas…. e ja esta contaminando tudo…..

  18. 51 Alexandre 18/08/2013 12:50

    Oi Ricardo, tudo bem? Pelo que eu entendi da sua brilhante análise é que a elevação dos juros americanos vai ocorrer, mas deve ser menos intensa que no passado pelos fatores que você indicou. Bom ler suas análises novamente .

    • Ricardo Gallo 19/08/2013 10:14

      gracias. ja andou bem. porem a coisa vai pra frente. o risco oporem eh pra cima…. pode ser que suba mais rapido…
      tipo…

      se eu tivesse que apostar com revolver na minha cabeca se juro 10 yr vai estar a 4 ou a 3 em julho do ano que vem…. 60% no 4%….

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.