Publicidade

domingo, 22 de setembro de 2013 Heróis do Mercado, Investimentos, Juros EUA, Sem categoria | 04:21

FED deu um drible da vaca?

Compartilhe: Twitter

Bola de um lado, jogador do outro:

http://www.youtube.com/watch?v=y3FjWVVp0gU

Parece que o Bernanke andou tendo aulas com Robinho…..

Depois de sinalizar que iria começar a reduzir o ritmo de suas compras de papéis já nesta reunião do FOMC  de setembro, Bernanke e sua turma decidiram continuar com o ritmo atual do programa de compras de títulos.

Para quem é aficionado em economia e política monetária, vale  a pena ver o vídeo abaixo da entrevista do Ben logo após FOMC:

http://www.federalreserve.gov/monetarypolicy/fomcpresconf20130918.htm

De fato estas conferências com jornalistas das principais agências de notícias econômicas logo após as reuniões do FED ajudam muito, mas muito, a entender o processo de pensamento do FED. Na opinião do próprio Bernanke, tal processo de comunicação é fundamental para a condução eficiente da política monetária com total transparência:

“Failing to communicate that information would have risked creating a large divergence between market expectations, public expectations, and what the Committee’s intentions were, and that could have led to much more serious problems down the road. So I think the communication was very important.”

Contudo, como ele mesmo disse, corre-se alguns riscos quando se comunica seus planos abertamente. Porém , como ele diz, no longo prazo tal transparência ajuda mais do que atrapalha.

Mas veja o que eu entendi do que ouvi do discurso e das respostas do Ben:

a. Bernanke não gostou dos efeitos da forte alta nos juros de longo prazo ocorrida desde junho, que provocou um aperto excessivo nas condições financeiras no sistema, o que acaba tendo efeito adversos na demanda e, em particular, no mercado imobiliário, que de fato tem mostrado um certo cansaço recentemente;

b. Bernanke parece estar bem preocupado com as discussões políticas no congresso americano nas próximas semanas no que diz respeito ao risco de um possível fechamento temporário do governo americano, ou  de um atraso em aumentar o limite de endividamento do governo, fatos que poderiam causar uma forte volatilidade nos mercados, com efeitos maléficos sobre a economia;

c. Bernanke quis deixar claro que mesmo quando o emprego bater os tais 6,5% não quer dizer que FED irá subir juro automaticamente. Ele disse e repetiu que a grande maioria dos membros do FED prevê que os juros só voltem a subir em 2015, fechando o ano em 1% e batendo 2% em 2016;

d. ele também deixou claro que acredita que os juros subirão devagar, pacientemente, e só chegarão aos 4% ( que seria, na visão deles, o nível neutro de juros)  2 ou 3 anos depois, ou seja, em 2018 ou 2019, bem depois do desemprego bater o nível neutro (NAIRU = 5,5% de desemprego), algo que deve ocorrer em 2016, segundo a mediana das projeções dos membros do fomc;

e.ele mencionou que não haveria razão para subir juros , mesmo quando se atingir tal pleno emprego, se a inflação permanecer persistentemente abaixo de sua meta de 2%, como está ocorrendo agora. De fato, a maioria dos membros do FOMC acredita que a inflação fica abaixo da meta até 2016, pelo menos. Bernanke até cogitou a hipótese de colocar um piso na meta de inflação;

f. ele admite que, como a produtividade tem subido menos do que ele imaginava, o desemprego está caindo mais rápido do que ele esperava e que o desempenho da economia está pior do que previa. Logo, a taxa potencial de crescimento pode ter caído em decorrência de efeitos colaterais ( transitórios??) da grande crise. Isto implicaria em juros mais baixos por mais tempo;

g. avisou que se for preciso ele muda política monetária em qualquer uma das reuniões do FOMC e não somente naqueles onde já estão agendadas conferências;

h. continua achando que a taxa de desemprego é a melhor métrica para acompanhar a saúde do mercado de trabalho, porém não é a única, e que quedas mais acentuadas na taxa de participação na população ( % da turma com mais de 16 anos que está empregada ou atrás de emprego) indicariam uma melhora apenas artificial do mercado de trabalho;

i. acha que foi importante preparar a turma do mercado para  o eventual início do processo de normalização da política monetária, pois ajudou a eliminar os excessos de posições especulativas nos mercados de renda fixa que haviam sido montadas em decorrência dos juros extremamente baixos que tivemos nos últimos anos, e que daqui para frente ele espera que o processo de alta dos juros de longo prazo seja mais gradual. Ou seja, ele chacoalhou a roseira para que uma possível bolha existente nas treasuries e nos outros papéis de renda fixa fosse eliminada;

h. dá sinais que prefere pecar pelo excesso do que pela falta de estímulo;

i.  e tudo isto logo depois da desistência do Larry Summers da corrida para sua vaga….

Gráficos abaixo da curva atual das expectativas de juros futuros mostram que mercado entendeu mensagem:

forwardoiscurve

 

 

 

Gráfico azul mostra a taxa de juros média esperada pelo mercado entre hoje e tal data no futuro. Gráfico vermelho mostra a expectativa atual para os juros do fed naquela data no futuro.

Em vermelho escuro marquei o final de 2015, quando mercado espera que juro do FED esteja a 1%.

Em laranja marquei o final de 2016, quando o mercado espera que juros tenham chegado a 2%.

Em cinza, final de 2019, quando os juros do FED devem bater nos 4% aa, os tais juros neutros.

E daí para frente ( amarelo), juros começam a se estabilizar ao redor de 4 ou 4,5% a.a.

Ou seja, os mercados entenderam claramente mensagem do FED e a curva de expectativas futuras para os juros está refletindo isto.

O prêmio de risco existente  entre a rentabilidade dos papéis do Tesouro e a taxa de juros esperada pelo mercado ( implícita nos derivativos de juros OIS ) está hoje em  próximo a sua média histórica ( o, 30% aa), como vemos no gráfico amarelo abaixo:

treasspreadois

 

 

Ele mostra a evolução do diferencial ( spread) entre a rentabilidade de um papel do tesouro americano de dez anos ( zero coupon) e a taxa média de juros do FED esperada para para os próximos 10 anos (dos contratos derivativos OIS). Hoje ( roxo) estamos bem próximos da média prevalecente ( reta vermelha horizontal) desde 2008. Tal prêmio saiu de 0,15% a.a. em Maio (cinza)  para os atuais 0,30% a.a ( roxo). Ou seja, o mercado já ajustou o prêmio de risco, que até maio estava excessivamente baixo, indicando que de fato estava se formando uma bolha nos títulos do tesouro desde o início do ano.  Tais papéis estavam ficando caros demais, o que resultava em prêmios de risco baixos demais e cadentes, como indicou Bernanke. Acredito que esta tenha sido a razão do Bernanke  sinalizar em Junho último que já estava pensando no início do FIM do QE. Ele pretendia furar assim a tal bolha nos títulos de renda fixa, antes que ela ficasse grande demais. Ou seja, tudo indica que o mercado esteja hoje onde o FED deseja. Logo, acho prematuro afirmar que o FED perdeu sua credibilidade com o movimento. Alguns especuladores perderam dinheiro, foi só isto.

Boa notícia para o Real, para nossa economia e para o financiamento de nossas contas externas… Ou seja, ganhamos tempo precioso para arrumar nossa casa! Não vamos desperdiçá-lo!!!!

E o prêmio de herói da semana vai para o Bernanke:

bernanke-timeline-sfimage-superJumbo (1)

 

 

Ele olhou para o lado esquerdo mas jogou a bola na direita…. e Mr Summers caiu no chão:

 

its-all-because-of-larry-summers-that-the-fed-nomination-has-become-such-a-circus

 

 

Autor: Tags:

7 comentários | Comentar

  1. 57 Jeferson 26/09/2013 15:32

    “Governo tem que defender o interesse público” ….

    Aí caímos de novo naquela histórinha….

    Suponha que fulano esteja no governo, faltando 1 ano e alguns meses para eleição e a “conjuntura” pede que ele tome uma série de medidas impopulares imediatamente, para que estas mesmas medidas não sejam ainda piores no futuro.
    Fulano tem Sicrano como adversário politico, Fulano pensa que as idéias de Sicrano são muinto ruins para o país, que seria um retrocesso ao interesse público que Sicrano governasse.
    Fulano tem que tomar a decisão:
    1- Faz as maldades agora, perde qualquer chance de ser eleito na eleição próxima e entrega o próximo governo de bandeja para Sicrano
    2- Mesmo sabendo que seria melhor efetuar as maldades agora não as faz até a eleição, ganha a eleição e em seguida aplica as maldades, que a esta altura ja são maiores que as necessárias a meses atras, perde muinta popularidade, mas em dois ou tres anos recupera a popularidade e o poder de inflenciar na eleição de seu sucessor.

    Analisando com uma visão não míope, é possível não defender que Fulano não ficou ao lado do interesse público escolhendo a opção 2 ?

    Se voce conhecer um único sujeito, no Brasil ou no exterior, que ao virar presidente escolhe a opção 1 eu diria para voce que provavelmente este sujeito não é humano, provavelmente é um ET…. kkkk

    A propósito, nada errado com “cada um defender o seu”, mas voce tem que concordar que politicagem existe em todos os lugares, na politica profissional ou na politica do dia a dia das empresas …. politicos são humanos e temos todos os defeitos dos humanos, não são melhores nem piores …. OBS: Não sou politico …..

    • Ricardo Gallo 26/09/2013 18:37

      olha eu acho que ha sim no governo brasileiro de hoje e no passado pessoas que na maior parte do tempo tentaram e tenatm fazer o melhor pro coletivo. porem as vezes escolhem caminhos tortuosos. e minhas discordancias sao tecnicas. eu questiono a forma deles tentarem fazer isto. e nao me sinto capaz de avaliar a etica de cada um. soh seus resultados. que pioraram nos ultimos 3 anos.

      existe crime, maldade, em todo lugar de fato…mas nao pretendo debater filosofica aqui e sim economics and markets.

      e os dados economicos mostram que coisas pioraram nest front….

  2. 56 Jeferson 26/09/2013 12:59

    Fugindo um pouco do assunto, mas nem tanto assim:

    Olha que notícia interessante:

    http://achadoseconomicos.blogosfera.uol.com.br/2013/09/17/10-mais-ricos-tem-50-da-renda-nos-eua-maior-concentracao-desde-1917/

    O autor do post coloca num grafico a concetração de renda nos estados unidos desde 1917.

    Destaco no artigo:
    “É curioso observar que, em todo o período analisado, houve somente dois outros momentos em que os 10% mais ricos se aproximaram de conquistar metade da renda do país – e ambos precederam as maiores crises econômicas do planeta.”

    É claro que foram apenas dois eventos, muinto pouco para chegar a uma conclusão com 100% de certeza de que sempre ocorrerá uma grande crise quando a concentração atingir patamares como os atuais no EUA.

    A questão é que pela terceira vez estamos em um momento como este ……. será que esta para estourar uma outra grande crise ?

    • Ricardo Gallo 26/09/2013 13:38

      Grande crise? acho que nao. longe disto. eua e o capitalismo sobreviveram a maior crise dos ultimos 70 anos. e estao la firmes. europa estah mais capitalista do que nunca: merkel neles! e china fala em reformas para aumentar o consumo!! portanto…. not now.

      agora aqui, se nao mudarmos a maneiras de fazer plitica e de conduzir o estado, vamos ter mais uma delas….

    • Ricardo Gallo 26/09/2013 13:32

      bom, isto se resolve de uma maneira simples: acabe com os ricos.

  3. 55 Jeferson 26/09/2013 12:30

    Quanto ao tal “populismo” mencionado ….. não que eu discorde que ele exista ….. mas é muinto facil falar da politica e não falar das outras áreas …. sai facil da boca das pessoas que tais medidas são populistas quando se trata de governo …. mas por exemplo, nunca vi voce dizer que uma empresa esta sendo populista em suas medidas, para agradar aos acionistas, principalmente quando se trata de bancos… minha vida toda trabalhei em empresas privadas 90% do tempo e sei muinto bem como uma administração pode ser populista quando quer ou precisa ….

    Populismo e o jogo politico não são algo que só existe para politicos profissonais ….. as tais politicagens mencionada por voce eu vivi em todas as empresas que trabalhei …. mas nunca vi voce dizer algo sobre isso, falta de experiencia penso que não é, pq voce trabalhou na área bancaria por muinto tempo ….

    • Ricardo Gallo 26/09/2013 13:32

      dr, pela amor de deus!!! as pessoas saudaveis e normais defendem seus proprios intersses, enquanto os pliticos ( funcinarios publicos) servem para defender o coletivo. se nao for assim, eu prefiro os black blocs …anarquismo ja!! ce deve ta brincando!!

      hahaha

      ha sempre politica. eh humano. mas nem sempre politicagem nao. na minha empresa todos aqui querem defender seus salarios, empregos, dividendos e bonus. fazem politica, como todos seres humanos, para atingir estes objetivos. normalesimo. meu papel eh garantir que estejam todos aqui alinhados.

      eu defendo em primeiro lugar meus interesses. e voce? meu analistya diz que isto eh normal….

  4. 54 Jeferson 25/09/2013 20:44

    “eu acho que sou mais liberal que ele. logo, sou ultra xiita. voce tem algo contra os xiitas? prefere os sunitas?”
    Resposta: Depende, como tudo na vida. Se voce for pensar que no Iraque do passado o Sadan Hussein era sunita (no que se refere ao significado original da palavra, ligado religião !) ….. mas se voce pensar no termo xiita, como é empregado hoje, para alguem que seja fanatico por um ponto de vista, prefiro sunitas, qualquer fanatico ja começa errado …. xiitas liberais e xiitas não liberaris estão errados, o melhor é sempre o meio termo, em tudo na vida …..


    de fato eu entendo bem isto. cham-ase politicagem populista. é uma manobra de manipulação. maquiavel 101. e eh usado aqui desde a volta das diretas : todo mundo usou. nao eh monopolio do pt nao!!!!”
    Resposta: Fato. Só acrescentaria que é usado aqui desde D Pedro I e não desde as diretas ….. alias acho que até antes dele os indios ja tinham algo similar … kkkkk …..e no resto do mundo também, em alguns lugares mais, em outros menos.

  5. 53 Jeferson 24/09/2013 13:08

    Ops .. .eu estava sumido ….. passei apenas para elogiar o que voce, Ricardo, escreveu em uma das respostas aqui ….. ” pois de fato eu entendo ha muito pouco que eles consigam fazer a um ano das eleiçoes sem matar o projeto politico. eu respeito isto, pois sao escolhas. mas ha custos nestas escolhas. soh isto.” … .antes eu tinha a impressão que voce não entendia isso ….. ano que vem , pós eleição saberemos das maldades e novos rumos da economia …. quem sabe até com o Meireles voltan do ao governo (não sei se é bom ou ruim, em princípio acho ele muinto “xiita” do liberalismo ….)

    • Ricardo Gallo 24/09/2013 20:08

      eu acho que sou mais liberal que ele. logo, sou ultra xiita. voce tem algo contra os xiitas? prefere os sunitas?

      de fato eu entendo bem isto. cham-ase politicagem populista. é uma manobra de manipulação. maquiavel 101. e eh usado aqui desde a volta das diretas : todo mundo usou. nao eh monopolio do pt nao!!!!

  6. 52 Jose Humberto 23/09/2013 16:30

    Acho que o seu ítem H faz muito sentido. Provavelmente essas inconsistências dos resultados da economia brasileira estejam nesse cenário inédito de índices baixos de desemprego no Brasil.
    E agora o record de arrecadação do mês de agosto?
    Puxa as coisas parecem que estão dando certo….
    Voce acha que o Fed foi cooptado pelo PT ?
    Acho que a espionagem do BO está nos ajudando…

    • Ricardo Gallo 23/09/2013 22:23

      mas o que voce acha do premio de risco das treasuries sobre ois? nao acha que deveriam subir mais ainda? veja comentario do db abaixo:

      Rise in yields since May reflects both a re-pricing of Fed rates and a rise in the bond risk premium. Market participants agree that the rise in Treasury yields since May has reflected both a re-pricing of the pace of Fed rate normalization and a rise in the bond risk premium from very low and negative levels.

      Sharp rates reaction to the FOMC should be temporary. The Fed’s latest forward rates guidance was very much in line with what the market was pricing going into the meeting. The strong reaction of rates reflected instead a sharp flush of slightly short positions on the surprise announcement of no-taper. We therefore see the impacts as relatively short-lived.

      Higher vol means higher bond risk premium. An important concern is the implications for the bond risk premium of the large surprises and associated volatility created by first the communication of the taper and then to not do so at this meeting. Monetary policy uncertainty, measured by Eurodollar futures vol, has been a key driver of the bond risk premium historically, and the primary driver in recent years. Eurodollar vol has risen from historic lows, which prevailed after the Fed began to provide calendar rate guidance in the summer of 2011, up into the lower end of the historic range.

      Typical rise in vol around end of Fed easing cycles would have a large impact on the bond risk premium. A rise in Eurodollar vol to the top of the range, as is typical around the end of Fed easing cycles, could have a sizable impact on the bond risk premium. On recent sensitivities, we estimate this could raise the 10y yield by 90 bps. To put this increase in perspective, an increase in the bond risk premium of this magnitude would be the equivalent of 125 bps higher futures rates guidance 3 years out. This suggests that higher predictable policy rates may imply lower bond yields than lower uncertain policy rates which raise the bond risk premium.

      Data-dependent Fed strategy exacerbates risk premium. Over the last few years, the Fed’s “data-dependent” strategy has meant it discussed exit at or near the top of the normal data-surprise cycle. The Fed then either delayed exit or initiated easing at the bottom of the data-surprise cycle. This is even though in each case the data was at the cusp of turning. In the current context this implies the risk premium will rise.

      Higher risk premium reinforces view of higher bond yields. Our view remains that futures short rates, which are in the process of reconnecting with macro data surprises, will go up with the data. A potential rise in the bond risk premium from higher monetary policy vol reinforces this view.

      Basicamente ele endereça a mesma questao que coloco no post, porém de uma otica mais critica achando que juro lomgo volta a subir pois aumentou volatilidade… e portanto incerteza. bom ponto.

    • Ricardo Gallo 23/09/2013 22:13

      eu nao sei…. porem pode ser o inverso…pode ser que o pt tenha sido cooptado pelo capital privado …. vai saber? nao entendo destas coisas. voce que parece que entende disto poderia nos dar uma luz….

      dr, voce pode negar, espernear, gritar, chorar, tentar desqualificar pegando uma informaçao aqui, outra ali, mas nosso pib cresce a 2% aa ja ha algum tempo…. nosso deficit externo soh aumenta ja faz algum tempo, a inflaçao aqui esta no topo da banda ha algum tempo…investimento aqui fica estagnado nos 18,5% do PIB ja ha algum tempo, nao passa de 19% nem com chuva de grana do bndes e da cef, o juro selic nao consegue ficar abaixo de 9% aa sustentadamente, balanço do bcm bndes e cef nao para de subir, petrobras se endivida como louca e nao consegue reajustar seus preços, as privatizacoes nao conseguem deslanchar por falta de interesse privado, enfim ha indicios que ha algo de errado com nossa economia. estes sao os desequilibrios. os juros baixos nos eua nao irao ajudar neste sentido. infelizmente eles soh nos darao mais tempo, que sem duvida ajuda o governo atual. tempo que precisaria ser aproveitado.

      de fato emprego e consumo sao as duas variaveis que hoje ainda estao relativamente bem. porem o que eu questiono é se com estes desequilibrios, que nao sao novos, nao sao do PT, ja vem se repetindo ciclicamente desde o collor, passando pelo itamar, fhc, pelo lula, e agora com dilma, o emprego e o consumo se sustentarao no longo prazo.será??? eu acho que nao. a teoria economica liberal, a keynesiana, e ate a marxista não acham que um sistema de crescimento puxado por consumo seja sustentavel. e a mesma teoria indica que precisamos de uma taxa de investimento acima de 20 % do PIB. alguns falam em 25%. eu ouço isto de economistas do pt, psdb, dos partidos de direita, dos de centro, do pmdb, enfim de tudo que eh gente, do delfim ao beluzzo, …. soh o pessoal do governo nao reconhece isto, pois de fato eu entendo ha muito pouco que eles consigam fazer a um ano das eleiçoes sem matar o projeto politico. eu respeito isto, pois sao escolhas. mas ha custos nestas escolhas. soh isto.

      minhas questoes sao: quando teremos algum governo que vai entender isto e ai, finalmente, endereçarmos os desequilibrios, como na coreia, chile, singapura, mexico, etc, e assim podermos crescer de forma sustentada, sem deficits, com maior distribuiçao de renda e menos impostos? só isto. que seja com o pt e com a dilma, que parece ser sua preferencia. nao tenho nenhum problema com isto. pois com os desequilibrios que temos nao conseguiremos crescer por dois anos consecutivos mais de 6% ( 3% aa…)…. duvido, a nao ser que china comece a baombar de novo… o que eu e a torcida do curintia tambem duvidam…. pelo menos tem sido assim ja há algum tempo. só isto.

      esta eh minha ideologia. cham-se racionalidade economica….. mas pode ficar tranquilo que nao sou candidato a nada nao…. logo, sou inofensivo. e se voce me disser que partido apoia e me disser que eles apoiam estas reformas necessarias para equacionar os desequilibrios, eu voto neles!! agora negar que haja desequilibrios economicos eh , no minimo, estranho…

      ps: record de arrecadacao eh um fato obvio e esperado e facilimo de prever pois com uma inflaçao de 6,5% aa eh suposto que todo mes a arrrecadacao suba com relação ao mesmo mes do ano anterior os ditos 6,5% aa mais a variaçao do pib real x elasticidade do imposto ao pib… eh assim que funciona economia…. veras que em agosto do ano que vem serah maior ainda… e assim vai…agora, celebrar aumento de imposto??? da para ver que senhor nao eh empresario….fala baixo! fiesp te mata se ouvir voce celebrando isto!!! hahaha!

      num pais que tem uma carga tributaria de mais de 37% do pib celebrar aumento de imposto eh estranho!!! o que acontece quando carga chegar a 100% do PIB???

  7. 51 Luiz C Dambroso 22/09/2013 11:50

    “… o mercado esta hoje onde o FED quer q ele esteja…” por q sera q aqui o BC do B esta onde o mercado quer q ele esteja ?
    Em tempo: tem uma questao p vc no post anterior

    • Ricardo Gallo 22/09/2013 17:55

      nao sei. quem tem poder nesta relaçao eh o bc sobre o mercado, e nao o contrario como voce coloca. e a comunicaçao do bc do brasil é menos transparente do que nos eua. logo é impossivel saber.

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.