Publicidade

domingo, 24 de novembro de 2013 Crise Brasileira, Empresas, Investimentos, Politica Economica | 01:38

Delfim Netto pergunta: cadê a poupança das empresas????

Compartilhe: Twitter

O Min Delfim Netto, um dos principais conselheiros econômicos da Presidenta, também está procurando a nossa poupança ou tentando explicar onde ela foi parar…

Veja abaixo artigo recente do ministro no Jornal Valor Econômico sobre um dos meus assuntos preferidos:

http://jornalggn.com.br/noticia/os-dados-da-queda-da-poupanca-privada

Dois competentes economistas, Carlos Antonio Rocca e Lauro Santos Jr., acabam de publicar um importante trabalho (“Redução da Taxa de Poupança e o Financiamento dos Investimentos no Brasil”, Centro de Estudos do Ibmec, novembro de 2013), no qual procuram atualizar alguns dados sobre a economia brasileira.
 
Comparam o ano de 2011 com uma espécie de média de 2012 e 2013, recolhendo informações para um período de 12 meses terminado em junho de 2013 (tabela 1). Surpreendente é a queda da taxa de poupança interna, 2,8% do PIB, acompanhada de aumento do déficit em conta corrente de 1,2% do PIB, que reduzem em 1,6% a relação investimento/PIB.
 
A poupança interna é a soma da poupança do setor privado, que em média foi 18,7% do PIB em 2000-2013, e da “despoupança” do setor público, que foi de 2,4% no mesmo período. Isso produziu em média uma taxa de poupança bruta de 16,3% do PIB. Em 2011, a “despoupança” do setor público foi igual à de 2012/13 (1,4% do PIB), o que sugere que a queda da poupança bruta foi gerada pela enorme queda da poupança privada (tabela 2).
 
 
Como afirmam os autores, “os dados das contas nacionais revelam um acentuado crescimento do déficit em contas correntes nos últimos dois anos, de 2,5% do PIB em 2011 para 3,7% no período de 12 meses terminado em junho de 2013. Esse desempenho não resulta do aumento da taxa de investimentos. No período, a taxa de investimento caiu 2,6 pontos percentuais, para 18,1% do PIB. A diferença se explica pela forte redução da taxa doméstica de poupança, de 2,8 pontos percentuais, de 17,2% do PIB em 2011, para 14,4% no ultimo período, nível que é o menor dos últimos anos”.
 
Uma forma alternativa de apreciar o fenômeno é analisar a poupança de cada setor com relação à “renda disponível” de cada um, que é elaborada pelo Ibmec, com dados do IBGE, do BC e do Ipea: 1) poupança do setor público em porcentagem da carga tributária; e 2) poupança do setor privado em porcentagem do PIB menos a carga tributária, que se vê no gráfico abaixo. Ele revela dois fatos: 1) a redução sistemática e significativa da “despoupança” do governo com relação à carga tributária, principalmente a partir de 2003 e hoje estabilizada em torno de 4%; e 2) a relativa estabilidade da poupança privada, cuja média no período 2000-2013 foi de 28,2%. Em 2011, atingiu 28,9% e estava em 24,8% no período de 12 meses terminado em junho de 2013.
 
O enigma é entender por que isso ocorreu. Os dados de 2005 a 2009 mostram que a poupança das famílias tem se mantido em torno de 4,5% do PIB. É pouco provável que tenha se alterado muito de 2010 a 2013, de forma que a queda deve concentrar-se no setor produtivo não financeiro.
 
Uma característica do período foi a redução dos recursos próprios das empresas nacionais e estrangeiras no financiamento dos seus investimentos, que caiu de 63% em 2011 para 52% em 2013. Nas empresas nacionais, vieram de 47% para 34%, recuo de 14%. Como a queda dos investimentos foi muito menor, subiu a participação dos recursos provindos de dívidas: 5 pontos percentuais do BNDES (de 14,7% para 19,7%); 3,9 pontos percentuais de emissões no mercado de dívida corporativa (de 9,1% para 13%) e 2,6 pontos de recursos tomados no exterior (de 5,5% para 8,1%).
 
As projeções do Ibmec, com números dos balanços das companhias abertas (exceto Petrobras) e das maiores empresas fechadas não financeiras sugerem queda da taxa de poupança dessas empresas da ordem de 2% do PIB, com os lucros retidos caindo de 3% do PIB em 2011 para apenas 1,9% em 2012, contra a média de retenção anual (mais aumento de capital) no período 2005- 2011 de 3,6% do PIB.
 
Em outras palavras, a queda da poupança (a queda do lucro) foi substituída por maior alavancagem de dívidas, para sustentar nível menor de investimento e manter os dividendos dos acionistas no padrão histórico. Como é evidente, a hipótese levanta dúvidas sobre a eficácia da política de empréstimos a taxas de juros subsidiadas.
 
Antonio Delfim Netto é professor emérito da FEA-USP, ex-ministro da Fazenda, Agricultura e Planejamento. Escreve às terças-feiras
Vale muito a pena ler o trabalho ao qual o ministro se refere:
Veja alguns trechos extraídos do excelente trabalho acima:

Concluindo, parece haver na economia brasileira um clássico exemplo de crowding out
onde o setor público faz um esforço enorme para aumentar os investimentos (PAC,
desembolsos do BNDES, diminuição da taxa de juros, desoneração fiscal, etc.), mas não
cuida da sua poupança para realizar seus investimentos: temos ao mesmo tempo um
aumento dos investimentos da União e um aumento das necessidades de financiamento
do Governo Federal, que já tem poupança negativa, ou seja, o Governo Federal desloca
poupança do setor privado para financiar seu déficit corrente e seus investimentos;
circunstância agravada pelo fato da poupança privada ter caído ao seu menor nível
desde 2000.

Na primeira parte deste trabalho, visão macroeconômica da poupança e do investimento,
constatou-se que a União continua deslocando poupança do setor privado para financiar
seu déficit corrente e seus investimentos com necessidade de financiamento anual da
ordem de 4 a 5% do PIB; agravado pelo fato que a poupança privada atinge no segundo
trimestre de 2013 seu menor nível desde 2000, 15,8% do PIB.
Talvez como consequência desses fatos, os investimentos são muito baixos: no
acumulado móvel anual encerrado no 2º trimestre de 2013 os investimentos (FBCF +
estoques) da economia brasileira atingiram 18,1% do PIB e a poupança nacional atingiu
14,4% do PIB, menor valor desde 2000, complementado pela poupança externa em 3,7%
do PIB. Esses níveis de investimento e poupança são inferiores aos níveis pré-crise e
não são suficientes para sustentar um alto crescimento do PIB.

E vejam a tabela abaixo que mostra a queda na poupança privada vermelho e do investimento privado ( amarelo):

poupriv

 

Ou seja, o setor privado poupa cada vez menos….

 

 

Autor: Tags:

1 comentário | Comentar

  1. 51 Carlos Eduardo 25/11/2013 9:09

    É o “vende o almoço pra comprar a janta”……ou o “aproveita enquanto tá bom!”

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.