Publicidade

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014 ataques especulativos, bizarro, Crise global, Politica Economica | 12:45

Argentina: uma foto do populismo fiscal e monetário

Compartilhe: Twitter

Os gráficos abaixo, do banco GS,  reforçam o quadro descrito no último post:

argiedeficitpub

 

Vemos em vermelho no gráfico acima à esquerda, a rápida piora do quadro fiscal naquelas bandas depois da crise de 2009. O governo, adotou uma política pseudo keynesiana, e  saiu de uma posição de equilíbrio para uma posição de déficit público. Vemos no gráfico à direita que desde 2011 o déficit público foi a principal causa da forte expansão monetária ( barras azul claro marcadas em amarelo). Ou seja, o governo argentino gastou mais e imprimiu moeda para financiar gasto. São dados do próprio governo argentino….

Abaixo vemos o que aconteceu com custo de produção na argentina e com taxa de câmbio naquelas bandas:

argiesalafx

 

No gráfico á esquerda, vemos em azul mais escuro ( marcado em vermelho) a evolução relativa do salário hora medido em US$ pagos na indústria argentina desde 1996 vis a vis outros países. Vemos que na Argentina eles cresceram em ritmo bastante superior ao dos EUA ( preto tracejado) e do Brasil azul clarinho, e até mesmo da Espanha! Ou seja, o custo de produção na Argentina subiu muito, reduzindo a competitividade das suas exportações! No caso do Brasil, marcado em amarelo, fica claro que não é sustentável daqui para frente tentar manter o ritmo de crescimento do salário  ( em US$ ) que tivemos desde 2002, ou corremos o risco de aumentar ainda mais o buraco do déficit externo.

O resultado disto, veja acima à direita, é a enorme valorização real da taxa de câmbio argentina ( verde claro) que bateu o pico da era Menem ( preto) . Ou seja, o governo Cristina K. repetiu o mesmo erro do governo Menem, embora tenham “linhas ideológicas”  opostas: ambos usaram a valorização do câmbio real para ancorar a inflação e manter os salários reais artificialmente elevados. Menem congelou o câmbio nominal, já Christina K reprimiu sua desvalorização nominal. Christina K. promoveu de fato uma apreciação cambial real desde 2008, visando transferir renda dos setores exportadores para os salários. Embora o câmbio nominal tenha se desvalorizado desde 2008, tal desvalorização foi inferior a elevação nominal dos salários e da inflação verdadeira, como mostrou o gráfico à  esquerda. Isto levou a taxa de câmbio real do Peso Argentino à enorme valorização ( Preto à direita), que agora começa a  ser corrigida com a recente desvalorização. Contudo, se os juros não subirem bastante e a expansão monetária e fiscal não for contida, tal depreciação cambial vai virar mais inflação o que reduzirá o efeito da depreciação nominal do câmbio já ocorrida, trazendo mais desvalorização e mais inflação, e, finalmente,  resultando em hiperinflação ou em colapso cambial como aquele ocorrido em 2001.

Hoje, como em 2001, será preciso uma forte depreciação real da moeda para trazer o câmbio, e os salários reais, para uma situação mais equilibrada. Ou seja, a festa acabou. Ou eles percebem ou teremos mais uma crise séria em nossos vizinhos. Desde a era Peron que eles repetem os mesmos erros. Quem sabe agora…. quem sabe.

 

Autor: Tags:

5 comentários | Comentar

  1. 55 DEMÉTRIUS 10/02/2014 17:09

    Eu disse “indicadores de desenvolvimento”, Gallo. A saber: alfabetização, mortalidade infantil, longevidade, quantidade per capita de bibliotecas etc., etc.

    • Ricardo Gallo 14/02/2014 13:18

      veja este artigo da the economist sobre argentina:

      A CENTURY ago, when Harrods decided to set up its first overseas emporium, it chose Buenos Aires. In 1914 Argentina stood out as the country of the future. Its economy had grown faster than America’s over the previous four decades. Its GDP per head was higher than Germany’s, France’s or Italy’s. It boasted wonderfully fertile agricultural land, a sunny climate, a new democracy (universal male suffrage was introduced in 1912), an educated population and the world’s most erotic dance. Immigrants tangoed in from everywhere. For the young and ambitious, the choice between Argentina and California was a hard one.

      There are still many things to love about Argentina, from the glorious wilds of Patagonia to the world’s best footballer, Lionel Messi. The Argentines remain perhaps the best-looking people on the planet. But their country is a wreck. Harrods closed in 1998. Argentina is once again at the centre of an emerging-market crisis. This one can be blamed on the incompetence of the president, Cristina Fernández, but she is merely the latest in a succession of economically illiterate populists, stretching back to Juan and Eva (Evita) Perón, and before. Forget about competing with the Germans. The Chileans and Uruguayans, the locals Argentines used to look down on, are now richer. Children from both those countries—and Brazil and Mexico too—do better in international education tests.

      Why dwell on a single national tragedy? When people consider the worst that could happen to their country, they think of totalitarianism. Given communism’s failure, that fate no longer seems likely. If Indonesia were to boil over, its citizens would hardly turn to North Korea as a model; the governments in Madrid or Athens are not citing Lenin as the answer to their euro travails. The real danger is inadvertently becoming the Argentina of the 21st century. Slipping casually into steady decline would not be hard. Extremism is not a necessary ingredient, at least not much of it: weak institutions, nativist politicians, lazy dependence on a few assets and a persistent refusal to confront reality will do the trick.

      All through my wild days, my mad existence

      As in any other country, Argentina’s story is unique. It has had bad luck. Its export-fuelled economy was battered by the protectionism of the interwar years. It relied too heavily on Britain as a trading partner. The Peróns were unusually seductive populists. Like most of Latin America, Argentina embraced the Washington consensus in favour of open markets and privatisation in the 1990s and it pegged the peso to the dollar. But the crunch, when it came in 2001, was particularly savage—and left the Argentines permanently suspicious of liberal reform.

      Ill fortune is not the only culprit, though (see briefing). In its economy, its politics, and its reluctance to reform, Argentina’s decline has been largely self-inflicted.

      Commodities, Argentina’s great strength in 1914, became a curse. A century ago the country was an early adopter of new technology—refrigeration of meat exports was the killer app of its day—but it never tried to add value to its food (even today, its cooking is based on taking the world’s best meat and burning it). The Peróns built a closed economy that protected its inefficient industries; Chile’s generals opened up in the 1970s and pulled ahead. Argentina’s protectionism has undermined Mercosur, the local trade pact. Ms Fernández’s government does not just impose tariffs on imports; it taxes farm exports.

      Argentina did not build the institutions needed to protect its young democracy from its army, so the country became prone to coups. Unlike Australia, another commodity-rich country, Argentina did not develop strong political parties determined to build and share wealth: its politics was captured by the Peróns and focused on personalities and influence. Its Supreme Court has been repeatedly tampered with. Political interference has destroyed the credibility of its statistical office. Graft is endemic: the country ranks a shoddy 106th in Transparency International’s corruption index. Building institutions is a dull, slow business. Argentine leaders prefer the quick fix—of charismatic leaders, miracle tariffs and currency pegs, rather than, say, a thorough reform of the country’s schools.

      They are not the solutions they promised to be

      Argentina’s decline has been seductively gradual. Despite dreadful periods, such as the 1970s, it has suffered nothing as monumental as Mao or Stalin. Throughout its decline, the cafés of Buenos Aires have continued to serve espressos and medialunas. That makes its disease especially dangerous.

      The rich world is not immune. California is in one of its stable phases, but it is not clear that it has quit its addiction to quick fixes through referendums, and its government still hobbles its private sector. On Europe’s southern fringe, both government and business have avoided reality with Argentine disdain. Italy’s petulant demand that rating agencies should take into account its “cultural wealth”, instead of looking too closely at its dodgy government finances, sounded like Ms Fernández. The European Union protects Spain or Greece from spiralling off into autarky. But what if the euro zone broke up?

      The bigger danger, however, lies in the emerging world, where uninterrupted progress to prosperity is beginning to be seen as unstoppable. Too many countries have surged forward on commodity exports, but neglected their institutions. With China less hungry for raw materials, their weaknesses could be exposed just as Argentina’s was. Populism stalks many emerging countries: constitutions are being stretched. Overreliant on oil and gas, ruled by kleptocrats and equipped with a dangerously high self-regard, Russia ticks many boxes. But even Brazil has flirted with economic nationalism, while, in Turkey, the autocratic Recep Tayyip Erdogan is blending Evita with Islam. In too many parts of emerging Asia, including China and India, crony capitalism remains the order of the day. Inequality is feeding the same anger that produced the Peróns.

      The lesson from the parable of Argentina is that good government matters. Perhaps it has been learned. But the chances are that in 100 years’ time the world will look back at another Argentina—a country of the future that got stuck in the past.

    • Ricardo Gallo 10/02/2014 17:48

      En 1928, Argentina era la sexta potencia en el mundo. En la década de 1940 casi
      no tenía analfabetos y la población universitaria era de las más altas del mundo.
      Ocupaba el sexto lugar en la escala de ingreso real per cápita y el tercero en la de
      productividad. 3
      Hacia 1970, el 40% intermedio percibía el 36,1% del ingreso, el 40%
      más pobre, el 16.5% y el 20% más rico, el 47,4%. Aun cuando las comparaciones
      internacionales acerca de la magnitud de la concentración de los ingresos presentan
      problemas, los datos permiten afirmar que Argentina se caracterizaba por un moderado
      nivel de desigualdad distributiva. La pobreza estaba acotada a algunos bolsones de áreas
      rurales y a relativamente reducidas proporciones de la población urbana. Comparada
      con Brasil, México y Chile, la Argentina era una sociedad mucho más igualitaria y su
      estructura social, muy semejante a la que tenían Dinamarca o el Reino Unido en la
      época (Altimir, Beccaria y González Rozada, 2002) Antes de la década de 1990, la
      estructura social de Argentina se distinguía por la presencia de una gran clase media que
      abarcaba al 75% de la población y en cuyo seno las diferencias de ingreso y educación
      no eran suficientes para generar grandes diferencias en los estilos de vida (Mora y
      Araujo,2002).

      Gino Germani, en un texto clásico, La estructura social de la Argentina, mostró
      el acelerado crecimiento de la clase media desde finales del siglo XIX. Durante la
      vigencia del modelo agro-exportador, los sectores medios de la sociedad aumentaron a
      un ritmo sin precedente y pasaron del 10% en 1869 al 30% de la población en 1914, es
      decir, se triplicaron en un lapso de 45 años. En menos de una generación surgió un
      amplio estrato medio que debió reclutar a sus miembros entre los sectores populares,
      tanto urbanos como rurales, al tiempo que la movilidad social debió ser no sólo de
      carácter intergeneracional sino también de naturaleza intrageneracional. Germani
      constató que durante el período de más intensa movilidad social, el tránsito de las clases
      populares a las clases medias se realizaba para el argentino sobre todo a través de
      alguna categoría de los sectores dependientes o de las profesiones liberales. Para el
      inmigrante, en cambio, el camino de ascenso social era el de las actividades autónomas
      en el campo del comercio, la industria o, en menor medida, la agricultura. El tipo
      humano más frecuente entre los miembros de la clase media autónoma era el “self made
      man”, y en el sector dependiente, el del “diplomado” nacido en el país, cuyos estudios
      fueron costeados por la familia, ella misma de origen obrero, y probablemente
      extranjera.

      El rápido avance de la educación, sumado a la inmigración, la inversión
      productiva y el boom agropecuario modelaron una sociedad de gran movilidad social y
      expectativas crecientes de progreso.
      [ En 1869 la tasa de analfabetismo era de 71,4% para el total del país. Entre 1895 y 1914 esta cifra baja a
      casi la mitad de la población (56,8% y 48,5%, respectivamente). Mientras que en 1947, el porcentaje de
      analfabetos fue de 13,6%, a partir de allí la tasa de analfabetismo se ubica siempre por debajo de cifras de
      dos dígitos: 8,6% en 1960; 7,4% en 1970; 6,1% en 1980; 4% en 1991 y 2,6% en 2001. (Datos según
      Censos de Población. Citado en Tedesco, Juan Carlos; Cardini, Alejandra (2007) “Educación y sociedad:
      proyectos educativos y perspectivas futuras”.En: Torrado, Susana (Comp.) (2007) Tomos II. P.462

    • Ricardo Gallo 10/02/2014 17:38

      ps: por outro lado China apresenta pessimos indicadores de desenvolvimento….

    • Ricardo Gallo 10/02/2014 17:19

      ps: o libano ja foi a suiça do oriente….. alepo foi um grande centro financeiro… origem da familia safra.

    • Ricardo Gallo 10/02/2014 17:18

      entendi… porem precisa ver a evolucao disto no tempo….pois a argentina ja foi uma das maiores rendas per capita no mundo no inicio do seculo 20, ate antes do mr peron….

      porem, apesar de tudo isto, eles sao pouco competitivos e tem uma economia instavel e decadente….

  2. 54 DEMÉTRIUS 07/02/2014 17:43

    Gallo,

    há décadas que os dirigentes da Argentina vem fazendo bobagens na condução do país. O que me intriga é que eles continuam ganhando de nós em todos os indicadores de desenvolvimento. É bravo! Resta o consolo que no futebol ainda estamos na frente.

    • Ricardo Gallo 07/02/2014 17:52

      desculpe, mas quais indicadores voce se refere? alem de carne , qual produto argentino que voce compra?? no que eles se diferenciam? o que eles fazem melhor do que nos??? aço? tv´s? carros? avioes? O Q?

  3. 53 Fabrício 06/02/2014 11:38

    Muito bom o post. Quero parabeniza-lo pela excelência dos seus posts em economia. Reitero que votava em você para ministro da economia se o cargo fosse de eleição direta. Agora, se a Argentina está assim, imagina a Venezuela! Não sei nem se tem como analisar! O pior é essas duas bombas estão para estourar no nosso quintal! E fazem parte do Mercosul! O negócio é feio! Acho que o Brasil deveria influenciar ou instituir algumas regras de boa economia para os países integrantes do Mercosul, para evitar isso. Se bem que o governo Dilma parece que tem a tentação de seguir o caminho da argentinização…

    • Ricardo Gallo 06/02/2014 11:58

      Obrigado pelas palavras…porem eu nao acho que eu mereco ser condenado a cadeira de ministro… é bem mais facil ficar aqui dando pitaco…a vida lá vai ficar muito, mas muito muito dura nos proximos 5 anos…

      venezuela? qual venezuela? de que pais voce esta falando? hehehe…

      vida dura….

  4. 52 Magos 05/02/2014 21:01

    Muito bom o comentário do Luiz Dambroso e consequentemente sua resposta. O que falta aqui é aquela palavrinha difícil de traduzir para o português; “ENFORCEMENT”. Voltando ao post, se me lembro bem havia(há) um ex-ministro do Sarney e tbm ex-tucano, que toda semana escrevia dizendo que o modelo a ser seguido era o argentino…se bem me parece ele estava(ou está) atrás de uma sinecura…pobre GV!!!

  5. 51 Luiz C Dambroso 05/02/2014 18:17

    Gde, Ric Acho q vc sabe mais do q eu mas vou dizer “Democracia eh boa mas eh muito cara” e o populismo eh um custo “oculto” da democracia, acho q todos os governantes ou no minimo seus assesores da area economica sabem do resultado, q ora temos debatido aqui, mas o custo poiltico, ou seja dar alguma vantajem hoje para a massa (povo) para ganhar mais uma eleiçao, sempre eh colocado na balança, depois (empurrar c a barriga) resolvemos ou culpamos alguem ou fato e jogamos a bomba para o proximo partido ou grupo. Me corrija onde estiver errado.

    • Ricardo Gallo 05/02/2014 20:46

      Parece que sim…. porém para evitar isto é preciso ter as chamadas instituições funcionando como congresso, bc, imprensa, judiciário, lei da responsabilidade fiscal, orçamento, e por aí vai…. com estas instituições funcionando as coisas nao descambam

      Democracia não significa dar poder absoluto a um governante ou partido que tem maioria. Tem que ter mecanismos e externos de controle. … senão acontece como na argentina.

      Aqui as instituições sao mais fortes que la mas mais fracas que no mundo desenvolvido. …

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.