Publicidade

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014 Crise Brasileira, Impostos, Livros e publicações, Politica Economica | 15:25

Crescimento e gasto social

Compartilhe: Twitter

Vale a pena ler o texto do Mansueto Almeida, excelente economista e especialista em gastos públicos:

http://mial/mansueto.wordpress.com/2014/02/08/crescimento-e-politica-soc

Destaco abaixo sua conclusão, a qual endosso 120%;

Queremos manter o ritmo de expansão dos gastos sociais? Excelente, então teremos que encontrar uma forma de crescer mais rápido, caso contrário, não será possível, a não ser com um forte aumento da carga tributária.

O mais provável é que alguns programas sociais sejam revistos, algo que já se escuta com certa frequência no próprio Ministério da Fazenda. Quem andou recentemente por lá escutou isso, principalmente, em relação aos programas seguro desemprego, abono salarial, sistema de pensões e até mesmo sobre a regra de reajuste do salário mínimo. Todos esses assuntos eram tabus, mas hoje técnicos do Min. da Fazenda já falam sobre o assunto para 2015. O que não se sabe é se combinaram isso com os seus superiores.

Para quem quiser conhecer mais os detalhes recomendo vistar o blog….

PS : para quem não conhece o Mansueto:

Mansueto Facundo de Almeida Jr é  formado em economia pela Univ. Federal do Ceará, Mestre em Economia pela Universidade de São Paulo (USP) e cursou Doutorado em Políticas Públicas no MIT, Cambridge (USA), mas não defendeu a tese. É Técnico de Planejamento e Pesquisa do IPEA, tendo assumido os seguintes cargos em Brasília: coordenador-geral de Política Monetária e Financeira na Secretaria de Política Econômica no Min. da Fazenda (1995-1997), assessor da Comissão de Desenvolvimento Regional e de Turismo do Senado Federal (2005-2006) e Assessor Econômico do Senador Tasso Jereissati. Atualmente, trabalha na Diretoria de Estudos Setoriais e Inovação (DISET) no IPEA em Brasília.

Autor: Tags:

5 comentários | Comentar

  1. 55 Luiz C Dambroso 19/02/2014 22:35

    Respondendo a sua resp: Desculpe Ricardo, acho feio e ridiculo discordar de alguem mais esperto, inteligente e conhecedor do assunto como vc, mas desta vez tenho q na minha humildade, discordar levemente de vc : esses “conceitos basicos” nao estao funcionando aqui em baixo, qto mais o gov gasta hoje com esse nivel de emprego/desemp mais tira trabalhadores do mercado, qto menos traqbalhador maior a procura por este, ai a sua tesse(dos econmst) PRODUTIVIDADE cai, hoje boa parte dos trabalhadores nao estao nem ai para a produç pois sabem q nao sao demitidos pois nao encontram outro melhor diga-se mais produtivo q ele.

    • Ricardo Gallo 20/02/2014 11:19

      viji! fica a vontade e discorde sempre . assim que eu aprendo.

      eu creio que um estado grande reduz produtividade media da economia. e de fato o governo ao expandir gastos mais cria demanda e aumenta pressao de custo. logo nos concordamos na essencia.

  2. 54 Luiz C Dambroso 19/02/2014 12:41

    Gastos sociais altos se justificam qdo ha uma grande diferença economica/social no pais, associada com desemprego forte e cescente, o primeiro justifica a atual politc (sem aumentar) o segundo esta exatmte o oposto ( ate justificaria certa reduç), pois a inflaç maior e persistnt eh a dos serviços, por isso precisamos “incentivar” um aumento na disponibilidade mao de obra.

    • Ricardo Gallo 19/02/2014 12:47

      gastos publicos elevados se justificam ate o limite da responsabilidade fiscal. ate o limite das receitas do estado.

      respeitado este ;imite real, ai o governo democratico escolhe como e onde gasta. isto vale para governos, empresas e pessoas. gastamos nosso dinheiro com o que desejamos, porem sempre respeitando nossas restricoes orcamentarias….

      os caras foram brincar com isto, e deu no deu…. bailaram…

      diferenca social voce nao resolve só com gasto social. resolve com emprego e salario crescente… logo, a elevacao dos salraios aqui é algo positivo neste sentido, porem porem precisaria ser acompanhado do aumento da produtividade desta mao de obra , pois salario = produtividade marginal da mao de obra…. se produtividade aumenta, salario pode aumentar… senao vira inflacao como voce disse.

      este sao conceitos basicos que estes pseudo socialistas querem modificar e negar.

  3. 53 Denivaldo Lopes Cruz 18/02/2014 9:22

    Ricardo, por falar em gastos sociais, gostaria que você desse o seu pitaco sobre esta entrevista concedida pelo ex-presidente do BNDES, Carlos Lessa, que se autointitula um nacional-desenvolvimentista. Ele fala dos desafios que o Brasil tem pela frente para continuar com os avanços sociais diante de uma combinação adversa, com baixa taxa de investimento, gastos públicos elevados e inflação represada.

    http://brasileconomico.ig.com.br/noticias/dilma-cedeu-a-washington-mas-nao-tem-oposicao_138965.html

  4. 52 Ricardo R 18/02/2014 0:33

    E para sustentar o aumento do gasto social, asfixiaremos ainda mais o setor produtivo… O brasil não tem jeito mesmo. só quebrando pior que em 98/99 pra fazer umas reformas e quem sabe garantir mais algum crescimento. Isso se não virarmos a argentina no meio do caminho, pelo voluntarismo da presidenta.

  5. 51 José Humberto 17/02/2014 18:52

    Assessor do Tasso Jereissati?
    Equipe do Ministério da Fazenda entre 95 e 97?
    Eta cara isento hein?

    • Ricardo Gallo 17/02/2014 20:01

      mas voce acha que da para aumentar gasto msocial sem aumentar imposto e com pib de 1,5 ou 2% aa? me explica como??… eu acho ele mais isento do que voce…. mas adorei o exemplo do pombo citado por um leitor do tal do pombo….

      o marcos lisboa trabalhou para o palocci, ne? viu o que ele falou recentemente sobre pessoas como voce na folha:

      http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/02/1411950-marcos-lisboa-a-esquerda-e-os-liberais.shtml

      nunca vi algo se encaixar tao bem com seus “comentarios pombasticos”….

      hahaha… vai ver o palocci tambem é tucano…. assim como meirelles… delfim… hahaha.

      mais um comentario pombastico. cheque mate!

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.