Publicidade

sábado, 12 de abril de 2014 Bancos, bizarro, Brasil, Crise Brasileira, Investimentos, Politica Economica | 02:43

BNDES: subsídio continua aumentando

Compartilhe: Twitter

E o subsídio dado pelo Governo às empresas através dos empréstimos subsidiados do BNDES segue aumentando, como vemos na notícia abaixo:

 

CÂMARA APROVA MEDIDA PROVISÓRIA PARA CAPITALIZAÇÃO DO BNDES 


Brasília, 08/04/2013 – A Câmara dos Deputados aprovou há pouco a Medida Provisória 628, de 2013, que autoriza a União a conceder R$ 24 bilhões de crédito ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O mérito da matéria foi aprovado em votação simbólica no plenário. Para a liberação da fonte adicional de recursos, concedida pelo Tesouro Nacional, a remuneração definida é a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), atualmente em 5% ao ano. Para a cobertura do crédito, a União poderá emitir títulos da dívida pública Federal. (Bernardo Caram – bernardo.caram@estadao.com )

 

Para manter o BNDES emprestando neste ritmo forte, o governo de fato precisa continuar a injetar recursos no Banco. A coisa funciona assim:

  • BNDES quer aumentar seus empréstimos, porém não tem dinheiro em caixa pois já os emprestou;
  • O BNDES pede ajuda ao Tesouro Nacional, que empresta recursos de longuíssimo prazo (30 anos) ao banco, a juros equivalentes a TJLP (hoje 5% a.a.);
  • O BNDES repassa então tais recursos aos seus clientes, cobrando um adicional (taxa de risco) de 1 a 2% a.a. em média, para cobrir suas despesas e seu risco de crédito como qualquer banco;
  • O Tesouro Nacional, como não possui tais recursos pois é deficitário, precisa captar tais recursos junto a bancos, fundos, investidores estrangeiros e locais, e paga para tanto juros superiores à inflação corrente acrescida de 6% a.a. de juros reais. Assumindo uma inflação de 6% a.a., temos um custo total para o Tesouro em tais captações da ordem de 12,3% a.a.;
  • O lucro que o BNDES gera em tais transações ( grifado em cinza na coluna da direita da tabela abaixo retirada de suas demonstrações financeiras) é 90 % devolvido ao Tesouro via dividendos e JCP ( marcados em amarelo na tabela abaixo), que usa tais recursos para aumentar o seu superávit primário reportado, o que o ajuda a cumprir suas metas:

bndespl1213

Em 31.12.2013 o Tesouro tinha um total de R$ 398 bi repassados ao BNDES, sendo R$ 359 bi destes repassados à taxa média de TJLP + 0,13% a.a. (que hoje significam 5,13% a.a. ), como vemos em vermelho abaixo no quadro retirado de suas demonstrações financeiras ( pag. 79 e 80):

bndesrepassestn

 

 

Ou seja, o subsídio dado pelo Tesouro  nos juros cobrados das empresas em tais operações chega a 6,4% a.a. Este subsídio gera um aumento no déficit nominal do Tesouro da ordem de R$ 23 bi por ano.

Além destes aportes, o Tesouro Nacional mantém R$ 60 bi investidos no BNDES na forma de Capital, como vemos em amarelo na tabela abaixo:

bndespl

 

Para manter tais recursos investidos no Banco, o Tesouro também precisa captar recursos no mercado via a emissão de papéis. Como o BNDES tem produzido um retorno antes dos impostos de aproximadamente 20%  ( 12 bi de lucro em verde abaixo) sobre seu capital:

lucrobndes

o Tesouro acaba gerando um ganho líquido sobre o capital investido no BNDES da ordem de:

( 20% – 12,3% ) * 60 bi = R$ 4.6 bi

Desta forma, o custo líquido para o Tesouro da operação do BNDES é de aproximadamente R$ 18 bi por ano, que equivalem a 0,4 % do PIB anual.  Isto é igual a 20% da economia total que o governo faz para pagar ( parcialmente ) os juros sobre a dívida pública total.

Assumindo que o BNDES não mais cresça a sua carteira de empréstimos como tem feito nos últimos anos, a manutenção desta política de subsídios em tais empréstimos implica em:

  • Exigência da manutenção de um superávit primário 25 % acima do que deveríamos ter, o que significa  que hoje pagamos mais impostos  e gastamos menos com outras atividades como saúde, educação e segurança do que poderíamos;
  • OU, se optarmos por não gerar esta economia fiscal para cobrir tal subsídio, nossa dívida pública bruta irá aumentar de 57% do PIB para 61% do PIB em 10 anos, se a carteira for mantida no tamanho atual e as taxas cobradas em tais empréstimos se mantiverem;
  • Se não conseguirmos nunca mais reduzir o tamanho desta carteira subsidiada do BNDES, mantendo seu volume estacionado em 7,4% do PIB para sempre, em termos econômicos estaremos gerando de imediato um aumento na dívida pública líquida de 6% do PIB, saindo dos 34% do PIB hoje reportados, para 40%.

São números expressivos que precisam ser debatidos no Congresso, dentro do processo orçamentário anual, pois não me parece que seja sustentável que a carteira de empréstimos do BNDES continue subindo a mais de 6,5% a.a. acima do PIB  ( 16% a.a. nominal vs. 8,7% a.a. do PIB) indefinidamente, como vemos no gráfico abaixo:

bndesgrowth

Caso contrário, serão precisos aumentos de capital anuais desta magnitude (R$ 24 bi), que irão elevando o subsídio anual em R$ 1.2 bi por ano enquanto isto continuar.

Algumas perguntas:

  • Alguém aí acha isto sustentável?
  • E se de fato não for sustentável, como eu acredito, como vamos resolver isto?
  • Quando vamos parar com isto?
  • Como reduzir a carteira de empréstimos do BNDES sem causar um enorme aperto de crédito na economia?
  • Como financiar nossos investimentos sem poder expandir a carteira do BNDES?
  • Vamos precisar aumentar os impostos para pagar estes subsídio crescente?
  • Quem vai pagar estes impostos? Os empresários que recebem tais empréstimos? Ou a classe média?
  • Que tal os candidatos à presidência responderem isto?

Só estou lembrando mais um problema que, como o preço da energia elétrica, da gasolina, o racionamento, a inflação, o superavit primário, o déficit externo, a Petrobrás, etc,  não será endereçado este ano, pois é ano eleitoral, mas que precisará ser abordado em algum momento em 2015 ou 2016. Enquanto isto, a conta aumenta…

 

 

Autor: Tags:

6 comentários | Comentar

  1. 56 epc 15/04/2014 8:13

    Muito interessante e esclarecedor, entretanto….what if…? E se o Brasil crescer o PIB numa media de 3,5% a.a. pelos proximos 15 anos? E se os investimentos feitos forem redutores de custos (infraestrutura) e estimularem a inovacao (ciencia e tecnologia)? Essa conta mudaria, correto? Bom talvez eu esteja sendo muito ingenuo e otimista. Gosto muito da sua coluna. Grande abs,

  2. 55 luiz C Dambroso 14/04/2014 1:11

    Voltei, bem antes da critica temos q perguntar para onde vai estes emprestimos, se para a infra estrutura tao nescessaria ao crescimento do pais ? se no passado nao muito distante p E batist ? ou para qualquer coisa? ou… essas respostas devem balizar o conciente para saber se: sao (os emprestimos) bons medios ruins ou muito ruins. nao achas?

    • Ricardo Gallo 14/04/2014 17:54

      E por falar nos emprestimos do bndes:

      http://www.valor.com.br/brasil/3513356/aumento-da-atuacao-do-bndes-em-infraestrutura-no-exterior-gera-criticas

      Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) mais que quintuplicou os financiamentos a obras de infraestrutura no exterior na última década, tendo liberado US$ 8,6 bilhões neste período para projetos como o metrô de Caracas, na Venezuela, e o porto de Mariel, em Cuba. Dados divulgados pela instituição mostram que os desembolsos para obras de infraestrutura na África e na América Latina subiram de US$ 228 milhões em 2004 para US$ 1,3 bilhão em 2013, acompanhando a expansão dos créditos liberados pelo banco, que passaram de US$ 13,8 bilhões a US$ 88,1 bilhões neste intervalo.

      © 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

      Leia mais em:

      http://www.valor.com.br/brasil/3513356/aumento-da-atuacao-do-bndes-em-infraestrutura-no-exterior-gera-criticas#ixzz2ytNqKyDP

    • Ricardo Gallo 14/04/2014 14:26

      emprestimos sao em sua maioria pagos no vencimento. porem voce pode me emprestar a juros zero e ai que aplico numa ltn e te devolvo tuddo…. foi um bom emprestimo, para mim.

      vao para empresas que investme na infra. ou seja, o bndes subisidia os empresario que investem em infra…. malouco neh?

  3. 54 Rodrigo Gomes Marinho 13/04/2014 21:00

    Olá Ricardo Gallo!
    Muito boa sua publicação. Parabéns!
    Achei muito esclarecedora e objetiva. Gostaria de aproveitar para saber quais são os autores referência nesse assunto: o financiamento de longo prazo do BNDES, pois pretendo fazer minha monografia baseada nesse tema.
    Desde já muito obrigado!

  4. 53 Hudson 13/04/2014 8:04

    Preciso repetir a frase que eu sempre repito por aqui? Já passou muito da hora de removê-los do poder… Se não a G.O.M.E ficará irreversível…

    • hudson 14/04/2014 22:14

      Grande Onda Marrom-Esverdeada rsssss

    • Ricardo Gallo 15/04/2014 12:49

      hahahaha…. got it!

      porem tira o verde dai!!!

      VERDAO!

    • Ricardo Gallo 14/04/2014 14:27

      GOME???

  5. 52 Daniel 13/04/2014 3:45

    BNDES sempre de cofre cheio para auxiliar os governos estaduais e as estatais. Foi surpreendente saber que o proprio governo esta na ponta do ranking de emprestimos.

    Agora a respeito da qualidade do credito concedido nao vejo ninguem comentar nunca. Os emprestimos sao concedidos a credores muitas vezes duvidosos com um risco muito alto de nao retorno.

    Fica aqui minha duvida a respeito da capacidade dos credores deste banco de pagarem os emprestimos, uma vez que existem alguns campeoes publicos e privados como beneficiarios majoritarios.

    • Ricardo Gallo 14/04/2014 14:28

      eu nao me preocuparia com a capacidade de pagar…. a perda com creditos no bndes eh minima pois ninguem quer perder acesso ao dinheiro social…. a turma vai la mesmo beber grana baratinha….

  6. 51 JGould 12/04/2014 16:41

    O Sr. é um tipo de Darth Vader do mundo econômico/financeiro? Primeiro o Sr. me vem com aquela historia de operações compromissadas. Que mal há em fazer um “QEzinho”? Se os imperialistas podem, porque a maior potência do futuro dos últimos e próximos 50 anos não pode? Em um “post” mais abaixo o Sr. fala daquela coisa atrasada I=S e agora ataca o bolsa empresário? O Sr. não sabe que I=B…..B de… BNDES? Por inveja, o Sr. se nega á aceitar o sucesso estrondoso de nossa política, elaborada pelo famoso economista João Santana com uma pitada da dupla Guido/Arno que estabeleceu o famoso “quadripé”: Juros , Energia, Cesta Básica e Contabilidade Criativa. Mas nada está perdido! Como o Sr. é uma pessoa da “zelite” e “bolsablog” não vai funcionar, temo que tenhamos que mandá-lo para um de nossos “campos de reeducação econômica”, tem um a 100km de sua residência, para uma imersão com o renomado e venerado “Belluzer”…então cairá de joelhos e como um FHC envergonhado, vai pedir para que esqueçam tudo o que escreveu e “last but not least” poderá aprender como ser presidente daquele time que tanto ama e voltar à assistir seu clássico favorito aos sábados à tarde no Canindé!

    • Ricardo Gallo 12/04/2014 18:03

      de fato eu preciso rever meus conceitos…. ou melhor, preciso ir correndo ao BNDES tomar uma grana emprestada para o bolsablog…. antes que estes neoliberais do Dark Sise acabem com a festa.

      obrigado pela sugestao de mago01….Valdivia!!

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.