Publicidade

quarta-feira, 23 de julho de 2014 Bancos, Crise Brasileira, Juros no Brasil | 20:00

A fotografia monetária da recessão que se aproxima

Compartilhe: Twitter

Um dos temas que ao longo dos últimos anos tenho trazido com frequência para esta coluna é a questão do balanço do BC do B. O BC apresenta em seu seu ativo basicamente:

a. títulos da dívida pública emitidos pelo Tesouro Nacional;

b. reserva cambiais no exterior.

E ele financia tais ativos basicamente com:

a. depósitos compulsórios dos bancos;

b. operações compromissadas de financiamento de títulos públicos ( bancos emprestam R$ ao BC com garantia em títulos públicos da carteira do BC);

c. depósitos que o próprio Tesouro Nacional mantém junto ao BC para arcar com seus compromissos.

Em termos de avaliação da liquidez disponível para os bancos a variável importante a monitorar é o total do passivo do BC do B, excluindo-se os depósitos que o TN tem junto a ele.

O gráfico abaixo mostra a evolução deste passivo desde 2004 mensalmente, em R$ Milhões:

balbcdob

O gráfico azul mostra o saldo mensal contábil. O laranja mostra o mesmo saldo porém ajustado sazonalmente e o cinza sua tendência central filtrada. Vemos que os saldo oscila ao redor da sua tendência. Temos abaixo a evolução do desvio do saldo de sua tendência central desde 2005 até junho último:

desvtendbcdob

 

Vemos em vermelho que hoje o saldo está abaixo de sua tendência, da mesma forma que ocorreu em outras três ocasiões , marcadas em preto, marrom e roxo acima.

Abaixo temos o gráfico da taxa anual de crescimento da atividade econômica calculada pelo BC do B desde 2004 até maio último :

ibsaanual

 

 

Marquei em preto, marrom, roxo e vermelho as quatro ocasiões quando a atividade apresentou forte desaceleração. Notamos que os momentos de desaceleração da atividade coincidem com os momentos em que o balanço do BC do B mais se desviou para baixo de sua tendência central. Isto faz sentido, pois a demanda por moeda cai na medida em que a atividade econômica se retrai. E o passivo do BC reflete a quantidade total de moeda no sistema.

Pela tendência recente dos dados monetários é bastante razoável esperar uma queda  mais forte da atividade nos próximos meses. E a experiência passada mostra que estes períodos de baixa demanda monetária demoram no mínimo alguns meses para serem superados.

Há duas maneiras do BC do B tentar forçar um aumento de seu passivo:

a. comprar dólares do sistema, acumulando reservas, o que depende do fluxo de entrada de capitais internacionais que hoje não está sendo suficiente para isto. Ou seja, se o BC do B entrar comprando dólares à vista no mercado o US$ subirá, aumentando as pressões de custos e inflacionárias na economia;

b.  ou através do resgate líquido de papéis emitidos pelo Tesouro nas mãos do mercado quando de seu vencimento, o que reduziria o caixa do Tesouro em ano de eleição, o que não me parece uma boa idéia.

Além do mais, se não houver demanda por moeda do lado real da economia, tal aumento de passivo ( oferta de moeda) não será absorvido. Ou seja,  tal expansão de balanço não será acompanhada por um aumento real de crédito na economia. Os bancos apenas irão aplicar os recursos assim liberados no próprio BC.

Para que tal expansão tivesse efeito, seria preciso que:

a. a elevação do US$ causada pelas compras do BC do B animasse as exportações, trazendo mais demanda externa;

b. a queda dos juros causada pela redução do prazo médio da carteira de títulos públicos nas mãos do mercado impulsionasse os investimentos privados.

Dadas as restrições inflacionárias do momento e a completa falta de confiança do empresariado na economia, não vejo nenhuma chance que o quadro recessivo seja revertido desta forma. Isto é consistente com o quadro de estagflação ao qual já me referi aqui algumas vezes: http://ricardogallo.ig.com.br/index.php/2014/07/03/rumoestag/

 

 

 

 

 

Autor: Tags:

4 comentários | Comentar

  1. 54 IRCR 24/07/2014 22:02

    Gallo,

    Qual é o numero da serie que retirou esses dados sobre o balanço do BCB no SGS do site oficial ?

  2. 53 Guilherme 24/07/2014 11:41

    Gallo,
    o passivo do BC saiu de 200.000 para 1.200.000 em 10 anos, qual a importância desse enorme aumento de quantidade de moeda para a inflação?
    abs

    • Ricardo Gallo 24/07/2014 11:49

      fiz alguns posts ha alguns meses sobre isto …. la tento avaliar o impacto.

      eh um assunto controversissimo…

      posts estao na categoria politica economica.

  3. 52 IRCR 24/07/2014 10:52

    Gallo,

    O que acha dessa reforma se fosse feita no BCB ?:hehe

    http://mises.org/daily/6817/How-to-Start-Reforming-the-Federal-Reserve-Right-Now

  4. 51 Marcos 24/07/2014 0:09

    Oi, Gallo.

    IPCA-15 veio mais fraco que o esperado e o mercado já precifica uma queda da Selic. IGPM também deu uma bela freada.

    Se a inflação continuar caindo e a Selic for baixada, esse quadro melhora?

    Abraços,
    Marcos

    • Ricardo Gallo 24/07/2014 11:40

      se…se…

      inflacao nao vem abaixo de 5.50 nos proximos 18 meses

      e bc na ata do copom deixou claro que nao vai brincar com fogo a esta altura…. como devia.

      bc estah corretissimo.

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.