Publicidade

terça-feira, 14 de outubro de 2014 bizarro, Crise Brasileira, Inflação, Investimentos, Politica Economica, Sem categoria, utilidade | 21:47

Uma experiência bastante custosa

Compartilhe: Twitter

Nossos vizinhos de continente muitas vezes nos dão algumas lições muito úteis. Os casos recentes da Argentina e da Venezuela mostram o que acontece com a inflação quando se abandona a chamada “ortodoxia” econômica ou quando se resiste a implementar as  políticas “imperialistas neo liberais“. As ideologias mais populistas usam tais apelidos para tentar desqualificar o que eu chamo de bom senso econômico.

Os governos destes dois países nos últimos anos adotaram, em maior ou menor escala, políticas econômicas chamadas heterodoxas, da linha desenvolvimentista ou progressista, que resultaram nisto aqui:

 

 

inflacaobolivarportenha

 

 

 

Este gráfico, construído a partir de dados fornecidos pela equipe de economistas do Banco Nomura, mostra a evolução da inflação anual desde 2001 na Argentina ( azul claro) e Venezuela ( vermelho). Vemos que desde 2004 a Inflação na Argentina escapou de controle, e que mais recentemente ela disparou assustadoramente chegando a 42% a.a.. O caso Venezuelano mostra uma inflação elevada ao longo de todo este período ( acima de 10% a.a), e que recentemente saiu do controle da mesma forma, mas com maior intensidade.  E é bom lembrar que a Argentina e a Venezuela são países com população educada e com abundância de recursos naturais.

Mas seus governos, em maior ou menor escala,:

  • eliminaram a autonomia dos seus BC´s e assim abandonaram o uso de uma política monetária ativa que visasse manter a inflação sob controle,  mantendo taxas de juros artificialmente baixas;
  • usaram o BC para comprar títulos públicos ou papéis de empresas estatais, financiando o déficit público através da emissão de moeda ( imprimindo $$$);
  • perderam controle dos gastos públicos;
  • congelaram  tarifas públicas;
  • tentaram controlar preços privados;
  • interviram no mercado de câmbio;
  • impuseram restrições quanto ao fluxo de divisas e o controle de capitais;
  • manipularam as taxas de câmbio, através da adoção de sistemas de câmbio múltiplo;
  • fecharam suas economias;
  • usaram suas estatais do setor de petróleo para subsidiar o consumo de combustíveis;
  • e por aí vai…

E nestes países, recomendar:

  • que preços das tarifas públicas reflitam as condições reais de seus custos;
  • que juros subam para evitar a alta de preços;
  • que despesas públicas não subam acima das receitas;
  • que câmbio deve flutuar livremente;

seria considerado um “ ato de subserviência aos capitais internacionais que visam destruir o emprego e a renda dos trabalhadores”.

Ou seja, temos em nosso próprio continente exemplos de descontrole econômico, causado por políticas econômicas equivocadas e ideologias ultrapassadas, que já foram testadas inúmeras vezes e sempre fracassaram. A aceleração inflacionária nos últimos meses levou a perdas enormes de renda dos trabalhadores e dos aposentados nos dois países, e qualquer tentativa de recompor tal perda através de uma indexação mais frequente de tal renda à inflação corrente, irá levar tais economias a hiperinflação, fenômeno que vivemos até 1994, fruto dos mesmos equívocos que nossos vizinhos hoje cometem. O resultado disto é que o mercado já especula quando estes países irão decretar moratória de suas dívidas. Imagine o que acontece com o investimento produtivo em tal ambiente???

Por outro lado, países como Chile, Peru, Colômbia e México crescem, com inflação estável e desemprego baixo.

A proximidade política que hoje temos com a Argentina e a Venezuela neste caso nos ajuda: bastam os candidatos olharem um pouco ao lado e reconhecer que, quando tentamos inovar e assim burlar o bom senso econômico, as coisas dão muito errado e o custo para se reverter este estado de coisas é enorme. Precisamos mais de 10 anos para equacionar alguns dos desequilíbrios econômicos que o processo de descontrole inflacionário que antecedeu ao Plano Real nos trouxeram.

É como eu digo:

“Sempre é melhor aprender com os erros dos outros. Porém é preciso primeiro ser capaz de enxergar os erros dos outros.”

Vamos então olhar para estes dois aqui e nos inspirar:

 

cristina130930181734-01-nicolas-maduro-0930-story-top

 

 

 

Autor: Tags:

1 comentário | Comentar

  1. 51 IRCR 15/10/2014 1:52

    Esses paises citados se venderam ao grande capital especulativo internacional, já Venezuela e Argentina estão num front de batalha contra os imperialistas neoliberais. Então, no que se refere, a criste atual de Ven e Arg, a culpa são desses fatores externos, da sabotagem imposta pelas politicas neoliberais.

    • Ricardo Gallo 15/10/2014 12:45

      estão no front e tomando bomba na cabeça…. e como em todas as guerras, quem paga o maior custo é o povo, que vive desabastecimento, carestia, perda do poder de compra, isolamento econômico, queda no investimento, atraso tecnológico, e por ai vai. ai os que têm chance fogem do país, e migram para a sede do império: vem trabalhar nos porões do bom retiro…

      ps: o mais interessante é que a bolivia gradualmente vais e entregando as politicas econômicas imperialistas….

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.