Publicidade

quarta-feira, 9 de setembro de 2015 ataques especulativos, Crise Brasileira | 23:02

A casa caiu e o pessoal da demolição acabou de chegar

Compartilhe: Twitter

Há algum tempo eu publiquei um post onde afirmava que a casa havia caído. Alguns me acharam pessimistas demais e até se animaram com a tal da agenda Brasil sinalizada pelo Senador Renan e Ministro Levy:

http://ricardogallo.ig.com.br/index.php/2015/07/27/gritoalerta/

Pois é, a casa não só caiu, como hoje a agência classificadora de risco S&P rebaixou nossa nota de crédito. Perdemos nosso grau de investimento e a perspectiva é negativa. Ou seja, o próximo movimento dela será de mais rebaixamento, caso não estabilizemos as contas públicas. Veja abaixo:

Brazil Foreign Currency Ratings Lowered To ‘BB+/B’; Outlook Is Negative

Overview

The political challenges Brazil faces have continued to mount, weighing on the government’s ability and willingness to submit a 2016 budget to Congress consistent with the significant policy correction signaled during the first part of President Dilma Rousseff’s second term.

BICADA: A AGENCIA SE SENTIU ENROLADA QUANDO ACREDITOU NAS INTENSÕES DE DILMA E CIA DE EQUILIBRAR AS CONTAS PÚBLICAS.

The government’s 2016 budget proposal envisions yet another change to the primary fiscal target less than six weeks after the previous downward revision, which would mean three consecutive years of a primary deficit and net general debt continuing to rise if subsequent revenue or expenditure measures are not taken.

BICADA: AGENCIA APONTA QUE O ORÇAMENTO PARA 2016 SAIU DE UM SUPERAVIT DE 0,7% DO PIB PARA UM DÉFICIT DE 0,5% EM APENAS 6 SEMANAS.

We are lowering the long-term foreign and local currency sovereign ratings on Brazil to ‘BB+’ and ‘BBB-‘, respectively.

The negative outlook reflects what we believe is a greater than one–in–three likelihood of a further downgrade due to a further deterioration of Brazil’s fiscal position, potential key policy reversals given the fluid political dynamics, including a further lack of cohesion within the president’s cabinet, or due to greater economic turmoil than we currently expect.

Rating Action

On Sept. 9, 2015, Standard & Poor’s Ratings Services lowered its long-term foreign currency sovereign credit rating on the Federative Republic of Brazil to ‘BB+’ from ‘BBB-‘, and the long-term local currency sovereign credit rating to ‘BBB-‘ from ‘BBB+’. The outlook is negative. We also lowered the short-term foreign currency rating to ‘B’ from ‘A-3’ and the short-term local currency rating to ‘A-3’ from ‘A-2’. We also lowered the transfer and convertibility assessment to ‘BBB’ from ‘BBB+’. We affirmed the ‘brAAA’ national-scale rating and revised the outlook on this rating to negative.

Rationale

We believe Brazil’s credit profile has weakened further since July 28, when we revised the outlook on Brazil to negative. At that time, we signaled increased execution risks to the corrective policy changes already underway, mainly stemming from fluid political dynamics in Congress associated with spillover effects from investigations of corruption at state-owned energy company Petrobras. We now perceive less conviction within the president’s cabinet on fiscal policy.

Quem perde?

  • Setores que necessitam de financiamento de longo prazo: Infraestrutura, Petróleo, Mineração, por exemplo.
  • Empresas que se financiam no mercado externo: exportadores, importadores e agro negócio;
  • Bancos que captam recursos no exterior, pois terão suas notas rebaixadas.

O PT entrou na história como o partido que nos fez conseguir o sonhado grau de investimento, nos tempos de Superavit Primário e de meta de inflação para valer. Isto tudo, diga-se passagem,  em grande parte pelo esforço do meu amigo Meirelles, que completou 70 anos recentemente, e que na época apanhou do PT como um cachorro sem dono. E,  poucos anos depois, o PT de Dilma ou Dilma do PT joga tudo isto no esgoto.  De fato nunca foi agenda do PT defender a estabilidade econômica. Só a defendem quando a pressão externa aumenta.  Adotaram a linha desenvolvimentista por mera conveniência política e assim queimaram o filme da turma da Unicamp ao associá-los a irresponsabilidade fiscal.  O que o PT defende é o modelo populista patrimonialista clientelista.  Retiro, a partir de hoje, o desenvolvimentismo do rótulo.

A casa caiu, e a turma da demolição já chegou. Vamos ver o que sobra, separar o entulho, e quem sabe reconstruir nossa economia agora em bases reais. Sem maquiagem das contas públicas, sem populismo no gasto, sem patrimonialismo nem clientelismo. Com políticas públicas racionais, sem devaneios desenvolvimentistas idiotas, com disciplina fiscal e monetária.  Vamos ter que colocar um limite rudimentar ( tá lembrado Presidenta) nos gastos do governo que seja fixado na constituição e submeter todas as vinculações de receita hoje existentes a seus cumprimento. Meu número: 20% do PIB. Bateu lá, corta gasto automaticamente. Para todo mundo. Inclusive pensionista. E bolsista. Na minha casa funciona assim. E na sua? Tem limite para gastos???

Presidente Dilma, Agora a coisa é para valer. Incompetência política, tudo bem. Mas econômica, não dá não. E não vem chorar que precisa de mais imposto não. Saco da classe média já estourou. Corta gasto aí. Chega de populismo. Chega de justiça social financiada com emprego de trabalhador. No final, quem paga é o trabalhador. Verás o que vai acontecer com economia e o desemprego ano no que vem em função deste rebaixamento. Mais um ano de recessão.

Chega!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Ou sou eu fico indignado aqui??

 

demoliçao

Autor: Tags:

9 comentários | Comentar

  1. 59 Max 11/09/2015 20:51

    Eu também estou indignado com tanta lambança!

    • Ricardo Gallo 11/09/2015 20:58

      bem vindo ao clube…. mas deixemos a revolta de lado e vamos atacar o problema… vejam novo post

  2. 58 carlos rocha 11/09/2015 8:54

    Ola Gallo; como sempre direto ao ponto e com muita propriedade;

    Como gostaria de acreditar que realmente agora tivessem aprendido a lição e realmente tivéssemos limites para os gastos públicos, ou chega desse tamanho do estado como no seu post anterior; duvido muito …não temos condições politicas para isso…

    Enfim…

  3. 57 Marcelo Vasconcelos 11/09/2015 4:34

    Compreendo sua revolta. Há poucos posts você defendia o ajuste fiscal (incluindo aumento de impostos) de forma moderada e agora com a perda do IG está revoltado como todos nós.

    Gostaria da sua opinião sobre saídas para essa crise sem fim e após o impeachment. Nossas melhores cabeças (incluo você nessa lista) podem ajudar muito nesse sentido.

    • Ricardo Gallo 11/09/2015 13:07

      opa. vou escrever hoje sobre isto. sem ou com impeachment, tem saida.

      sou legalista, liberal e democrata. logo sou contra impeachment politico. soh se tiver prova cabal de culpa. sem a menor duvida de culpa.

  4. 56 Carlos 10/09/2015 16:46

    Ficou indignado mas ainda defendendo o desenvolvimentismo Unicamp? Seu outro amigo não é o Guido Mantega não né?
    Abs,

  5. 55 ricardo r 10/09/2015 12:22

    Considerando que o deficit nominal nao devia passar de uns 3% do PIB e que hj ta nuns 7%, excluindo os swaps, soh precisa cortar entao uns… 240 bi. metade do gasto primario eh social e a otra metade eh servidor.

    quero só ver a choradeira, velinho se amarrando em poste na frente da agencia do inss e servidor federal se amarrando em poste na frente do minfaz.

    • Ricardo Gallo 10/09/2015 13:00

      se voce cortar 1/3 disto, juro real despenca e ai nominal despenca. e troca swap por pronto a 3.90 de dolar… ai acaba a plhacada.

      facinho arrumar. precisa somente por limite no gastoi publico federal.

  6. 54 Ezequiel Alves 10/09/2015 11:10

    O inverno chegou mais rápido que imaginei, patrocinado pelo partido do caPTa que tem cinco chifres além de cinco pontas na estrela conhecido agora conhecido internacionalmente pela comPTncia economica.

  7. 53 Michel 10/09/2015 9:52

    Eu só acho que precisamos atribuir a responsabilidade aos devidos autores. Parece-me que a culpa é muito mais do Congresso, pois muitas das despesas obrigatórias que amarram os gastos do governo são fixadas constitucionalmente. A presidente não pude mudar isso por decreto.

    O problema é que o Congresso é feito por representantes do povo. Enquanto esse mesmo povo continuar com a postura de atropelar os outros para se salvar (e. g., funcionários públicos federais reivindicando aumento a esta altura do campeonato), a coisa vai continuar assim. É aquela coisa do “sou a favor do ajuste fiscal, desde que não toquem nos MEUS direitos”.

  8. 52 XG 10/09/2015 9:50

    Tenho algumas sugestões. Fechar essas coisas aqui :

    ANCINE (Remove your hand from my NETFLIX)
    ANTT
    ANTAQ
    ANATEL (UM SONHO FECHAR ESSE TROÇO)
    AEB
    SUDAM

    Essa apetitosa lista :
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_empresas_estatais_do_Brasil

    Além de economizar e receber uma grana extra, já é um passo na desburocratização e já sabemos os efeitos disso.

  9. 51 Araújo 10/09/2015 5:51

    A casa caiu realmente……

    Só passei aqui para agradecê-lo pela forma clara, objetiva e simples de expor um tema tão complexo, que é economia.

    Se as reformas não foram agilizadas num cenário mais positivo, acredito que agora o Pmdb deverá empunhar tal bandeira.

    Temos que chamar o padrinho pra rezar.

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.