Publicidade

segunda-feira, 17 de maio de 2010 ataques especulativos, Bancos, Crise na Europa | 17:04

O que está derrubando bolsas no mundo todo?

Compartilhe: Twitter

Lembram da soma de todos os medos?

Pois é, os dados sobre mercado residencial na China mostram forte desaquecimento nas vendas de imóveis e agora todo mundo está achando que estourou bolha imobiliária chinesa, que BC chinês errou na dose do aperto, bla,bla….. Bolsa lá já caiu 20% desde abril último, como pode se ver  no gráfico abaixo… Porém eu não vejo os Chineses cometendo suicídio político e desaquecendo violentamente aeconomia por que erraram na dose de algum remédio… vai saber…

Além disto,  um subproduto da crise da dívida européia : há um temor que bancos da europa estejam carregados de empréstimos e papéis de empresas de Portugal, Irlanda, Espanha, Grécia, e , num cenário de recessão mais séria na Europa e de um forte aperto fiscal,  podem sofrer perdas enormes com calotes … Aí os outros bancos ficam com medo de emprestar para tais bancos… o que eleva o custo dos empréstimos entre bancos ( CDI deles) …o spread de risco entre empréstimos de 90 dias para bancos e a taxa over  ( o Selic deles ), aumentou bastante ( triplicaram) nas últimas semanas, voltando para os níveis de Agosto de 2009, como pode ser visto no gráfico abaixo:

Foi esta a faísca que quase implodiu sistema financeiro americano em 2008…. Dá para entender o medo… Porém a economia na Europa e nos USA tem mostrado que estão indo muito bem , bem diferente do quadro em 2008…

Está com uma cara que este mercado vai voltar a subir em breve… sei lá… não me parece véspera do fim do mundo….

Autor: Tags:

Bancos, Juros no Brasil, Sem categoria | 02:28

Ganho dos Bancos – capítulo 1

Compartilhe: Twitter

Tenho recebido uma avalanche de comentários  sobre a lucratividade dos bancos no Brasil e no mundo.Decidí  consultar minha Bloomberg e ver o que saía de lá….

Seguem abaixo as tabelas que construí a partir de alguns  dados lá coletados. São dados públicos pois todos os bancos que mencionarei são listados em bolsas e portanto disponibilizam tais informações em seus sites.

Alguns comentários sobre as tabelas que seguem mais abaixo:

a. Quando menciono média refiro-me a média aritmética do retorno sobre patrimônio (dos acionistas) de cada grupo de bancos.

Pode se ver claramente que os grandes bancos brasileiros são os mais rentáveis da amostra.

b. Variação do pib refere-se  a taxa de crescimento do último trimestre do ano contra o último trimestre do ano anterior;

Uma coisa faz sentido: quanto maior  o crescimento maior a rentabilidade dos bancos. É normal esperar isto, pois com a economia crescendo bancos ficam mais confiantes e emprestam mais, e consumidores e empresas também tomam mais crédito. E quando economia esfria, bancos se retraem e demanda por crédito cai, além da inadimplência, que cresce quando economia piora, reduzir seus  lucros .

Um economista famoso, Mr Hyman Minsky, analisou este comportamento dos bancos que parece óbvio e natural mas que, segundo ele, é a principal causa dos ciclos de bolhas e crashes que já ocorreram inúmeras vezes na história do capitalismo.

Ele defendeu a tese que bancos criam ciclos exagerando a oferta de crédito durante as fases positivas da economia, geralmente depois de períodos longos de crescimento econômico ininterrupto, baixando as taxas, restrições e exigências de garantias nos empréstimos, assumindo muitas vezes que nada vai dar errado e que economia vai crescer indefinidamente. Normalmente estes movimentos são acompanhados por inovações financeiras que aceleram a oferta de crédito para além do sistema bancário tradicional ( por exemplo fundos di, hedge funds, securitização, derivativos, globalização, TI, foram inovações importantes para os mercados) . Aí empresários e consumidores entram na festa e tomam emprestado mais do que deviam ou até mesmo do que poderiam em situações normais. Bancos e investidores  ficam eufóricos pois não querem perder o bonde e aumentam ainda mais a oferta de crédito, via empréstimos, financiamentos, emissões de debêntures, ações, etc…. Este excesso de crédito eleva preços de ativos, como bolsa e imóveis, criando bolhas. Se tal alta de preços gerar inflação, os BC´s são forçados a subir os juros. Aí a economia começa a desacelerar mais rápido do que se previa,  devido ao super investimento ou super endividamento criado nas fases das vacas gordas, trazendo a inadimplência. Os bancos, por serem  alavancados ( trabalham com 6 a 25 vezes capital de terceiros vs. capital próprio), começam a apertar a oferta de crédito, cobrando empréstimos e subindo os juros cobrados, temendo uma inadimplência que poderia quebrá-los. Esta atitude leva então ao estouro das bolhas, e a queda rápida da atividade econômica, com redução imediata no investimento privado e no nível de emprego, o que força os governos a intervirem, colocando dinheiro na economia via aumento do gasto público , redução de impostos, redução de juros e injeção de liquidez no sistema financeiro, ou até mesmo salvando bancos diante da possibilidade de quebra ou de uma crise sistêmica. Passa mais um tempo e o ciclo se repete em outro canto do globo….

Minsky afirmava que isto não poderia ser evitado, pois é da natureza do sistema de crédito livre do capitalismo financeiro, porém  ele acreditava que isto poderia ter seu impacto minimizado através de ações prudencias e regulatórias dos bancos centrais e orgãos reguladores nos tempos de vacas gordas….

Segue link do livro do grande economista que em 1980 já falava sobre o problema de hoje e já dava recomendações do que deveria ser feito para se minimizar as chances de ocorrerem tais crises….

http://www.amazon.com/Stabilizing-Unstable-Economy-Hyman-Minsky/dp/0071592997/ref=sr_1_1?ie=UTF8&s=books&qid=1274131807&sr=8-1


c. Múltiplo é  a relaçao entre retorno dos bancos / crescimento do pib.

Interessante notar que Bancos na Europa são mais rentáveis que nos USA, isto é, produzem mais retorno com menos crescimento,  por duas razões eu creio:

1. na europa o mercado de capitais não é tão desenvolvido como nos USA. Logo, os USA os bancos tem que enfrentar a concorrência do mercado de capitais, onde empresas de maior porte tem acesso a crédito farto e de longo prazo. Além disto, a securitização ( venda de empréstimos direto a investidores ) é mais desenvolvida nos USA. Em outras palavras, mercado de capitais desenvolvido reduz spread bancário e aumenta oferta competitiva de crédito.

2. bancos europeus tem presença internacional maior, inclusive em países emergentes ( HSBC e Santander por exemplo), onde retornos são maiores e competição é menor.

d. Elasticidade é quanto varia o retorno dos bancos para cada 1% de variação do crescimento do pib dentro daquela amostra;

Vejam que interessante o caso Chines: apesar do PIB ter crescido menos em 2009 do que em 2007, os bancos foram mais rentáveis em 2009! É simples explicar isto: o governo Chinês é o principal acionista dos grandes bancos de lá. E usou os BANCOS PARA ESTIMULAR CRESCIMENTO da economia em 2009, estabelecendo uma meta super agressiva de crescimento de empréstimos, da mesma forma que aconteceu no Banco do Brasil. Assim os bancos aumentaram os volumes de empréstimos violentamente o que elevou seu lucro. Algo similar ocorreu com Banco do Brasil aqui em 2009. Isto explica a elasticidade negativa ocorrida em 2009: houve mão do estado no jogo… Historicamente podemos ver que este tipo de coisa acaba dando muito errado…. é uma intervenção do governo que pode criar bolhas ou más decisões de investimento ….

Outro fato interessante: os USA apresentaram a maior elasticidade na amostra, isto é, para uma dada variação do PIB lucros variam mais nos USA do que nos outros países: isto se explica pelo elevado endividamento das empresas e famílias por la´. Quando economia cresce empréstimos crescem muito aumentando retorno dos bancos, e quando ela  se retrai a inadimplência sobe muito pois todos devem muito, o que diminui retorno dos Bancos.

e. Para cada região escolhi os bancos mais significativos. Para o Brasil dividi em dois grupos: Bancos Grandes e Bancos Pequenos;

No caso brasileiro fica claro que os bancos maiores apresentam uma rentabilidade maior do que os menores …. Irei comentar sobre isto no capítulo 2…. aguardem….

f.  Escolhi 2007 e 2009 para evitar o pior momento da crise: temos então uma foto de antes da crise e outra  na saída da crise.

Autor: Tags:

sexta-feira, 14 de maio de 2010 Juros no Brasil, Politica Economica | 06:22

Um exercício para estimar qual tamanho da alta de juro aqui.

Compartilhe: Twitter

Desde 2004  as taxas de juros no Brasil vem tendo uma tendência de queda.  Mérito do governo e do cenário internacional que nos ajudou também.

O gráfico abaixo mostra dois fatores:

a. a linha vermelha mostra o quanto a taxa selic em vigor naquele instante ( desde jan 2004 ) estava acima  ou abaixo da taxa determina pela tendência dos últimos 6 anos. Por exemplo, em Setembro de 2008 o Selic estava bem acima ( quase 3 pontos percentuais) da taxa determinada por esta tendência. Hoje a taxa está abaixo desta tendência média dos últimos 6 anos.

b. a linha azul mostra o quanto nossa economia está caminhando acima ou abaixo do seu potencial. Um dado acima de zero mostra que estamos andando mais rápido do que podemos, como por exemplo mostra o dado mais recente. Usei dados fornecidos por Cristiano Oliveira do Banco Safra nesta parte.

Por este gráfico dá para se ter uma boa idéia sobre como funciona BC: quando a linha azul  está acima de zero, o bc do b  interrompe a tendência estrutural de queda dos juros e começa a subir juro selic  até que linha azul comece a cair de novo e ele possa então voltar a derrubar juros. Aconteceu em 2004/ 2005 e em 2007/2008.  Portanto, enquanto não virmos a linha azul reverter sua tendência de alta e começar a cair, o BC vai seguir mandando bala na  alta de juro que pode ser superior a 4 pontos percentuais….

Engraçado, mas parece que a cada 3 anos o bc do b teve que repetir ciclo de alta de juro…. Será que tem algum fator estrutural que empurra inflação para cima forçando tais ciclos??

Autor: Tags:

quinta-feira, 13 de maio de 2010 Juros no Brasil, Politica Economica, Sem categoria | 07:39

Leve 1 mas pague 2…

Compartilhe: Twitter

Bem, a taxa média de juros paga pelas pessoas físicas no Brasil de Dunga é de 41% aa…. (dados de Março).  Alta pacas, eu sei! Mas mesmo assim você toma emprestado!

O prazo médio das operações de crédito para PF é de aprox. 520 dias e a inadimplência média da carteira é  de 8%… São 403 bi em empréstimos a PF’s….

Vamos lá:

1. exercício:

Assumindo uma inflação de 5% aa, depois de 27 meses rolando esta dívida a estes 41% aa você terá gasto em juros reais o equivalente a outro bem, ou seja, você compra um bem  financiado mas paga 2 por causa dos juros…. Ou seja,a cada dois anos e meio os brasileiros que devem 400 bi aos bancos, que compraram algum dia 400 bi em bens ou serviços com esta grana, pagam de fato 800 bi por tais bens ou serviços entre juros reais e amortização do principal dos empréstimos …. você não sente isto, pois paga parcelado, mas a taxa média real (já descontada inflação) de juros dos empréstimos a pessoas físicas é  de 34% aa no Brasil, de acordo com o BC do B…… e brasileiro é assim: se parcela cabe no orçamento doméstico, quem se importa com os juros?

Outra maneira de ver o problema : se você adiar uma compra financiada nestas taxas  por 3 anos, consegue comprar o dobro daqui a três anos com os juros que deixou de pagar e guardou….

2. exercício:

Se você tiver uma dívida equivalente a 1 mês de salário, seus encargos reais (juros somente) pagos durante um  ano serã0 equivalentes a 1/3 de um mês de salário… ou seja 1/3 de seu décimo-terceiro salário é usado para pagar juros só por que você deve um mês de salário….

3. exercício:

Assumindo que os 8% de inadimplência se traduza em perda efetiva para os bancos, isto é, não são pagos pelos devedores que dão calote , a transferência anual de renda real do bolso dos devedores PF para os credores é da ordem de r$ 100 bi / ano ou seja, ou seja todos que tomam empréstimos pagam em juros reais líquidos por ano:

>> o equivalente a 3% do pib….ou seja o equivalente a toda produção nacional de bens e serviços do dia 3  até ontem…

>> ou seja, mais de 6 x o volume total gasto por ano pelo governo com o bolsa família…

>>ou seja , mais que todo o supéravit primário fiscal do Brasil….

>> ou seja,  60% do total que o governo gasta por ano com  os juros líquidos de toda a dívida pública…

>> ou seja,  se volume de empréstimos fosse metade do que é hoje, a poupança das pessoas físicas com os  juros reais que deixariam de ser  pagos seria da ordem de R$ 50 bi por ano, ou seja, uns 1.5 % do pib (a poupança nacional, incluindo setor público, empresas e indivíduos, é da ordem de 15% do pib por ano)…

Se magicamente conseguissemos aumentar nossa poupança interna em 1.5% do pib por ano durante 10 anos , teríamos no final deste prazo acumulado um capital que garantiria uma renda anual adicional de aprox. 0.6% do pib para sempre para nosso povo….. Sei que se reduzirmos o crédito nesta velocidade quebraremos as indústrias, o setor de serviços e o comércio, porém algo me diz que se controlarmos um pouco a demanda, adiando o consumo, reduzindo a taxa de crescimento do crédito para o consumo e com isto aumentando a poupança interna , poderia ser bem melhor para as futuras gerações. Mas isto não ganha eleição. Não mesmo, considerando que grande parte de nossa população sonha em  realizar hoje o consumo que foi reprimido durante os anos da hiper inflação.

Pense no crédito consignado: uma boa notícia pois reduziu o custo do crédito e aumentou sua oferta, em particular para aposentados e pensionistas. Porém do ponto de vista macro, de uma forma mais altruísta: o crédito consignado quando usado para financiar o consumo presente,  é uma antecipação de renda  futura, que será gerada pelos recebimentos futuros de pensões. Logo ele antecipa consumo futuro, aumentando a demanda atual gerando uma pressão inflacionária hoje. E uma pressão deflacionária no futuro, pois quando vencerem as prestações do empréstimo, o pensionista não poderá gastar ou consumir, pois  as parcelas do empréstimo serão  debitadas de suas pensões futuras. Logo, esta demanda antecipada pelos pensionistas através do consignado, gera demanda hoje, quando não há produção suficiente e portanto pressão inflacionária. E diminui a demanda futura quando os investimentos sendo feitos hoje maturarem, criando super oferta e desemprego. Com estas elevadas taxas de juros atuais o consumo antecipado é bem menor do que aquele que seria feito no futuro. Isto também vale para aqueles que se endividam num ritmo maior do que a taxa de crescimento da sua renda…. Assim que a crise portuguesa começou…. Estamos ainda longe desta crise, porém vale refletir…

Você pode:

a. reclamar dos juros elevados, com toda razão!!

b.ou ser racional e reduzir suas dívidas começando com o cheque-especial, cartão de crédito e carnet da loja ou do carro… se demanda por crédito cair aposto que juros vão cair junto! A 30% aa de juros reais, antecipar consumo é tolice. Só vale mesmo se for para pagar hospital, médico ou comida.

c. ou fazer as duas coisas

Você decide…

Autor: Tags:

quarta-feira, 12 de maio de 2010 Juros no Brasil, Politica Economica | 18:27

Vendas no varejo no Brasil disparam….

Compartilhe: Twitter

O Comércio Varejista ampliado, que inclui o varejo e mais as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção cresceu 22% aa …. Excluindo tais atividades, cresceu “apenas” uns 16%….

Vejam se não estamos tendo uma certa febre de consumo…. BC tem que ficar esperto, senão inflação pega…..


Autor: Tags:

CHINA, Imoveis | 12:21

A pedidos: imóveis em Sampa… e seus preços…

Compartilhe: Twitter
Autor: Tags:

ataques especulativos, Crise na Europa, Sem categoria | 12:10

Portugal e Espanha : dívida privada é o problema…

Compartilhe: Twitter

Vejam nos gráficos abaixo onde mora o problema privado da Espanha e de Portugal.

No primeiro grafico ( chart 4 ) abaixo a esquerda, as barras brancas mostram a dívida total das empresas privadas de cada país, as barras cinzas mostram a dívida total das pessoas físicas e as barras pretas mostram a dívida pública, tudo como percentual do pib. Em Portugal e na Espanha as dívidas públicas são relativamente pequenas quando comparadas com a Grécia , porém as dívidas privadas são enormes , somando quase 300% do pib.

No gráfico a direita ( chart 5) mostramos o quanto deste total de dívida é devido a credores no exterior ( dívida externa ), também como % do pib: aí novamente Espanha e Portugal se destacam com cerca de 100% do PIB em dívida externa….

Lá quem  quem abusou da sorte foram os Primos Privados…. Eles aproveitaram a oferta de crédito barato,  fácil e farto depois da unificação monetária e se endividaram loucamente, vivendo além de suas possibilidades… Aí alguns banqueiros baladeiros acordaram da farra maluca e pediram a grana de volta.

E portanto vocês podem imaginar o tamanho do aperto que eles vão sofrer para baixar esta dívida, seja através da redução do consumo ou através do calote nos Bancos locais….

A vida dos banqueiros portugueses e espanhóis vai ficar bastante difícil. Sem falar no desemprego, que na Espanha já chega em quase 20%….Vai dar uma onda de calote por lá….

Você está com pena? Então empreste dinheiro para eles.  Estão pagando taxas ótimas…. Ou quem sabe Lula deveria pegar uns US$ 100 bi de nossas reservas internacionais e emprestar para eles junto com o FMI… Alguém se lembra das polonetas? Click neste link abaixo que você vai se lembrar….

http://www.senado.gov.br/jornal/noticia.asp?codEditoria=22&dataEdicaoVer=20011010&dataEdicaoAtual=20070102&nomeEditoria=Comisses&codNoticia=263

O fato é que não  importa se é primo público ou privado: endividar-se para consumir além do que pode pagar é bobagem e achar que as coisas nunca vão dar errado, que não haverá crise, choque, ou até mesmo recessão é tolice. Logo, antes de tomar dinheiro emprestado é preciso pensar e avaliar bem, pois as coisas podem não dar tão certo no futuro. Nada é tão bom que vá durar para sempre….

Autor: Tags:

CHINA, Imoveis, Juros no Brasil | 06:58

Enquanto isto, preços de imóveis na China continuam subindo..

Compartilhe: Twitter

Quem diria,  mas a China ex-comunista apresenta fortes indícios de especulação imobiliário e de bolha especulativa nos preços dos imóveis, apesar dos esforços do estado para controlar a situação….

Vejam o gráfico a direita abaixo, que mostra evolução ( seta amarela) do preço médio do metro quadrado na China que já passa de Rmb 8mil ou seja aprox. r$ 2mil… em média um apartamento de 100 metros quadrados na China Capitalista custa R$ 200 mil, tendo subido 60% em 3 anos… Já uma residência em Beijing, capital da China, com os mesmos 100 metros quadrados, custa em média r$ 580 mil, tendo subido 120% em 3 anos…. Nada mal para uma nação ex-comunista. E eu que estive lá em 2007 e não comprei nada!

Porém o mais interessante é que o volume de negócios está caindo rapidamente nos grandes centros , como se vê no primeiro gráfico a esquerda assinalado pela seta vermelha…

Logo, pode-se prever que preços vão começar a cair em breve. Pergunta que apavora os mercados:  será que haverá uma crise imobiliária chinesa, “tipo” americana ou espanhola ???? O mercado de ações da China ex-comunista aposta nisto e uma vez que as ações do setor imobiliário na bolsa chinesa já cairam 45% desde o pico em julho do ano passado…. conforme vemos no gráfico abaixo… Portanto, não é só o Público que exagera… o Privado ( como o  Chinês!!) também faz suas besteiras…..


Autor: Tags:

terça-feira, 11 de maio de 2010 bizarro, Crise na Europa, Politica Economica | 16:58

A pedidos: as bobagens que Primo Privado fez e ninguém comenta…

Compartilhe: Twitter

Para não dizer que não falei das flores:

a. primo privado nos USA tomou empréstimos como um louco junto a Banca Baladeira e especulou com imóveis…. advinha o que houve? Quebraram…

b. primo espanhol privado foi a Banca e montou maior esquema de especulação imobiliária: empresas do setor imobiliário tomaram Euro 450  bi ( isto mesmo : 45% do pib deles!!)   para investir (??) no setor e mais de 10% de tais empréstimos já estão em atraso…

c. primo português privado gerou uma dívida junto a banca privada de mais de 200 % do pib ( isto mesmo)…  sabe quando vão pagar isto???

d. primo irlandês privado fez a mesma coisa…. foram para o saco

Pois é, cada família tem o primo que merece….

Autor: Tags:

Crise na Europa, Politica Economica, Sem categoria | 02:30

Como quebrar uma família ou um páis….

Compartilhe: Twitter

Muitos leitores acusam o tal do capitalismo internacional de quebrar alguns países. Pode ser que estejam certos. Assim como alguns devedores acusam os bancos que lhes emprestaram dinheiro de serem os culpados por suas agruras.

Enfim, eu adoro gráficos e exemplos para  mostrar como eu vejo as coisas .

Esta história que segue abaixo ilustra os eventos na Grécia e de outros países da Europa que acumularam déficits e dívidas ao longo dos últimos anos e vão ter que agora encarar a dura realidade dos fatos…..

………..  Era uma vez, dois primos, Privado da Silva e Público da Silva, que viviam felizes …..

Eles viviam juntos e dividiam as despesas da casa que ganharam de herança dos avós, sábios professores de filosofia grega. Público cuidava da casa POIS não estudou e nem gostava de acordar cedo para trabalhar. Privado, contudo confiava muito no Público para zelar da casa e das finanças do Lar.

Privado ganhava R$ 100 mil por ano entre salário e comissões de venda. Era gerente de uma agência de turismo. Privado pagava R$ 40 mil por ano ao Público pois este cuidava da casa e era boa gente. Público era o dono do carro da casa que ele  e o primo Privado usavam. O carro foi ganho num bingo da Igreja: um Opala 1972, que dava um tremendo custo de manutenção ….

Público era gastão, torrava dinheiro, não poupava e tinha uma amante argentina. Porém tinha um bom coração: ajudava o orfanato da igreja doando todo mês um pouco da grana que sobrava de suas viagens a Argentina. Gastava com isto tudo R$ 50 mil por ano embora ganhasse  R$ 40 mil…...

Privado era mais parcimonioso : só gastava o que tinha. Durante algum tempo, até poupava uns R$ 10 mil  dos R$ 60 mil por ano que sobravam após pagar o salário do Público, poupança esta que pretendia guardar para sua aposentadoria. Porém dados os constantes buracos nas contas do Público, Privado acabava  tendo de emprestar todo ano  tais economias de r$ 10 mil para Público poder cobrir seu excesso de gastos anuais. Privado contava em receber de volta no futuro tal empréstimo para ajudar em sua aposentadoria.

Privado se encheu de ficar emprestando para público, e invejoso da vida boa que Público levava, em baladas e noitadas, decidiu trabalhar menos, e portanto teve sua renda reduzida para R$ 90mil, pois perdeu parte das comissões que ganhava. Público continuava gastando os mesmos R$ 50 mil por ano e ganhando os mesmos R$ 40 mil que recebia do Privado, só que agora precisava tomar empréstimos junto ao banco da cidade para cobrir seu excesso de gastos, pois Privado  gastava integralmente os R$ 50 mil que lhe sobravam …

Um dia ele encontrou  o gerente do BANCO numa balada que perguntou:

-Público, quanto você deve ao banco e a seu primo Privado?

Público fez as contas de cabeça e descobriu que com juros acumulados ele já devia ao primo Privado  R$ 50 mil , e ao Banco ele devia R$ 60 mil, num total de R$ 110 mil.

Porém ele mentiu ao gerente:

– Uns R$ 90 mil….

O Banqueiro Baladeiro, que cobrava juros de irmão ( 5.0% aa, isto mesmo, ao ano!) em seus empréstimos e que nunca se preocupou em saber quanto de fato Público gastava ou devia, disse:

-Sabe que os juros de  sua dívida com o banco e com o seu primo fazem que sua dívida cresça R$4.5 mil todo ano?

O Banqueiro no dia seguinte foi ao Banco e ligou para Privado. Perguntou quanto Público devia a ele. Privado respondeu na lata : R$ 50 mil !

O Banqueiro Baladeiro, recuperado da ressaca da noite anterior, percebeu que Público mentira e que alguém que deve R$ 110 mil ,  ganha r$ 40 mil e gasta R$ 50 mil por ano, não irá pagar a dívida nunca….

O Banqueiro Baladeiro então liga para Público e avisa:

Não irei mais te emprestar nenhum centavo…. E me pague o que deve senão eu tomo sua casa!

Público se lembrou então que havia dado a casa como garantia do empréstimo bancário, usando a procuração que Privado havia lhe dado com plenos poderes para cuidar das finanças da casa…Afinal era ele quem governava a casa…

Público entra em pânico e reclama:

-Poxa, mas assim não vou ter dinheiro para mandar para minha amante argentina!!! Ela vai me trocar pelo Diego!

Público resolve então ligar  para o Primo Privado que no passado cobria os rombos de sua conta e fala:

– Você tem que me emprestar algum, pois o Banqueiro Baladeiro filho-da-mãe capitalista sujo  não me empresta mais.

Privado disse:

-Não vou não! Se eu te emprestar EU não poderei ir mais a balada!

Público fica revoltado e ameaça :

-Então vou te cobrar R$ 5  mil por ano de aluguel do Opalão. Senão tu vai ter que ir a pé para a balada e para o trabalho!

Privado reage:

-5 mil! Por aquele lixo de carro!!! Então me pague a dívida que eu pago aluguel!!!

Público enraivecido diz:

Então não cuido mais da casa a partir de amanhã: estou de greve!

Só havia uma saída….  Público decidiu  apelar ao tio Gringo, rico, babaca e poderoso, que propôs o seguinte:

– Vou emprestar a você, Público, os R$ 60 mil que você deve ao banco. Aí você liquida a dívida com Banco! Porém tenho alguumas condições:

a.  Público deve largar amante argentina imediatamente e eliminar os gastos de R$ 10 mil anuais que tem com ela e com baladas! Deve cortar pela metade as doações ao orfanato. E vai usar esta economia para pagar meu empréstimo primeiro! Depois ele paga os empréstimos para Privado em 20 anos de prazo!

b. Privado vai ter que acordar mais cedo e lavar os carros lá de casa todo dia pela manhã. Pretendo pagar a ele R$ 5mil por ano para ele lavar meu carro todo dia.

c.  Privado vai ter que pagar sim o aluguel do Opala velho de R$ 5 mil a Público, mas  Público também vai ter que usar esta grana para amortizar suas dívidas comigo. Logo Privado não vai poder ir a balada.

d. Depois de me pagar a dívida, Público vai ter que vender Opala para mim por R$ 10 mil e amortizar uma parte da dívida que tem com seu primo Privado! E os dois vão ter que andar de lotação daí para frente….

E lembro que se vocês não toparem isto ou não cumprirem tais condições vão ficar sem sua casa, e sem o Opalão, pois o banco e eu vamos executar o empréstimo!!!!

A conta é simples:

. Privado vai ter que acordar mais cedo para lavar carro do Gringo todo dia para arrumar os R$ 5mil por ano para pagar aluguel do Opalão 72 … ( o setor privado da economia,  com suas empresas e trabalhadores, vai ter que trabalhar e produzir mais para economizar e poder eliminar o déficit do estado  e pagar sua dívida, pois a banca internacional não mais financiará a farra).  O custo dos serviços públicos irá subir .

. Público se livra da amante argentina e economiza com isto uns R$ 10 mil… ( setor público vai ter que acabar com a farra dos gastos )

. Público pega estes R$ 15 mil ( 5mil do aluguel do Opalão mais os 10 mil que economizou)  e amortiza empréstimo de R$ 60 mil do Tio Gringo…. ( dívida do setor público vai ter que ser reduzida, sobrando menos recursos para gastos sociais e melhoria dos serviços públicos)

. Depois de pagar dívida com Tio gringo, Público vende o Opala para o próprio Tio gringo por 10 mil ( belo preço, pois ninguém compraria um carro usado do Público…)  e amortiza parte do empréstimo devido a seu Primo Privado… ( o governo terá que vender seus ativos ou seja, privatizar, para poder pagar sua dívida).  Setor Público quitará restante do Empréstimo devido ao setor Privado em 20 anos ( setor pública reestrutura sua dívida com setor provado) , o que fará com que Setor Privado tenha que adiar seus planos  de suas aposentadoria.

. Tio gringo então dá um belo trato no Opalão, que o transforma em Opala Tunado Super Turbo, e o coloca para fazer lotaçao na cidade, faturando 5 mil /ano líquido com isto. Público e privado são seus principais clientes…. ( com dinheiro e capital privado os serviços públicos melhoram )

Enfim, de quem é a culpa? Do banqueiro? do Tio? Da amante? Do Privado? Do público? De ninguém?

Você decide qual a moral da história….

PS: embora não seja um problema nosso, eu penso que vale a pena aprender com os erros dos outros para não repetirmos os mesmos, embora eu respeite a opinião de alguns leitores que preferem ignorar tais lições.

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 70
  3. 80
  4. 90
  5. 98
  6. 99
  7. 100
  8. 101
  9. 102
  10. Última